80ª Convenção Geral deve prosseguir pessoalmente, mas mais curto e menor, dizem os presidentes

Por David Paulsen
Postado em maio 11, 2022
Michael CurryGay Clark JenningsEugene Sutton

O Bispo Presidente Michael Curry e o Rev. Gay Clark Jennings, presidente da Câmara dos Deputados, falam durante uma reunião especial do Conselho Executivo em 11 de maio. O bispo de Maryland Eugene Sutton, à direita, fala no final do dia durante uma reunião do Comitê Permanente Conjunto de Planejamento e Arranjos.

[Serviço de Notícias Episcopais] The 80th A Convenção Geral ocorrerá pessoalmente em julho em Baltimore, Maryland, mas provavelmente será mais curta e menor, com protocolos de segurança aprimorados para minimizar ainda mais o risco de infecções por COVID-19, de acordo com um esboço de possíveis mudanças apresentado em 11 de maio pelo Episcopal oficiais presidentes da Igreja.

O Bispo Presidente Michael Curry e o Rev. Gay Clark Jennings, presidente da Câmara dos Deputados, discutiram seu plano preliminar para uma Convenção Geral modificada em uma reunião especial do Conselho Executivo realizada online e transmitida ao vivo. Eles disseram que nem o cancelamento nem outro adiamento da Convenção Geral é uma opção viável.

“Há questões essenciais para o governo e a boa ordem da igreja que devem ser tratadas. Estamos empenhados em realizar os 80th Convenção Geral em Baltimore neste verão”, disse Curry em seu observações. “Sei o quanto esse compromisso com a cidade de Baltimore e com a Diocese de Maryland é importante. Mas, obviamente, com a variação contínua da pandemia do COVID, também estamos comprometidos em nos reunir da maneira mais segura e saudável possível.

“O amor ao próximo não é simplesmente uma boa ideia. É um mandamento de Jesus baseado no ensinamento de Moisés buscar sempre o bem e o bem-estar um do outro”.

Esse compromisso significa que esta reunião da Convenção Geral não se parecerá com as reuniões trienais anteriores do corpo governante da Igreja. “Por mais difícil que seja aceitar, ainda não conseguimos realizar a grande reunião familiar que todos ansiamos”, disse Jennings. Em vez de uma reunião de oito dias, de 7 a 14 de julho, com a participação de milhares de deputados, bispos, funcionários, vendedores e visitantes, Jennings disse que os planejadores estão trabalhando para uma “reunião curta e focada, para realizar eleições, aprovar um orçamento e abordar outras questões críticas”. questões e legislação essencial que não pode esperar até 2024.”

Ela observou que a eleição de seu sucessor está entre as ações que não podem mais ser adiadas. A Convenção Geral também elegerá os membros do Conselho Executivo, e a Câmara dos Deputados elegerá um novo vice-presidente. Jennings também assegurou ao Conselho Executivo que era improvável que a Convenção Geral não alcançasse um quórum, que requer um mínimo de um deputado do clero e um deputado leigo de metade das dioceses. A maioria dos bispos elegíveis para votar é necessária para quórum na Câmara dos Bispos.

As mudanças em consideração são, em parte, em resposta a ansiedade crescente em toda a igreja sobre a potencial ameaça de infecção por coronavírus na Convenção Geral em um momento em que as subvariantes novamente estão aumentando a contagem de casos. Esses riscos foram destacados por um surto de COVID-19 entre membros do Conselho Executivo após sua reunião de 20 a 23 de abril em San Juan, Porto Rico. Jennings foi uma das pelo menos oito pessoas naquela reunião que deram positivo.

Os deputados também levantaram preocupações depois que pelo menos 41 pessoas participaram de uma conferência do clero da Diocese da Pensilvânia de 25 a 27 de abril testado positivo para o vírus. Os Comunicadores Episcopais, por outro lado, realizaram uma conferência de quatro dias na semana passada que atraiu mais de 100 pessoas para Savannah, Geórgia, e até agora, os participantes evitaram um surto. A última conferência exigiu testes negativos e máscaras.

Jennings disse que depois de 15 dias ela finalmente está se sentindo melhor, mas adoecer com o COVID-19 “aprimorou minha compreensão do que o COVID pode fazer, mesmo para alguém vacinado”.

“Ainda sou muito cauteloso em me reunir pessoalmente em Baltimore”, disse Jennings. “Mas acredito que se todos nos comprometermos a cumprir as diretrizes e cuidar uns dos outros … podemos fazer nosso trabalho essencial de governança da forma mais eficiente e segura possível.”

Ela também revelou alguns resultados de uma pesquisa online com deputados que mostrou que mais de 70% queriam prosseguir com uma Convenção Geral presencial, enquanto mais da metade esperava mudanças para abordar questões de segurança.

Membros da Diocese de Newark conversam entre si durante a 79ª Convenção Geral em 2018. Foto: Mary Frances Schjonberg/Episcopal News Service

O processo para alterar o horário, duração e local da Convenção Geral é estabelecido pela Constituição e Cânones e Regras de Ordem da igreja. Quaisquer alterações são propostas primeiro ao Comitê Permanente Conjunto de Planejamento e Arranjos. Esse comitê considera a proposta e faz uma recomendação ao bispo presidente e ao presidente da Câmara dos Deputados. Se uma mudança for recomendada, os dois presidentes a consideram e decidem se devem fazer a mudança, após receber aconselhamento e consentimento do Conselho Executivo.

The 80th A Convenção Geral inicialmente estava programada para ocorrer em julho de 2021, mas por causa da pandemia foi adiada por um ano, sob a suposição de que as condições melhorariam o suficiente até julho de 2022 para viabilizar uma reunião presencial. As condições, de fato, melhoraram desde então, com vacinas contra o vírus agora amplamente disponíveis e comprovadamente bem-sucedidas na prevenção da maioria das hospitalizações e mortes. Embora a contagem de casos nos Estados Unidos tenha diminuído bastante em relação ao aumento da variante omicron do inverno passado, os números aumentaram no mês passado devido à subvariante omicron mais recente e mais contagiosa.

O adiamento de um ano também permitiu que os comitês realizassem algumas reuniões e audiências online pela primeira vez. As audiências online, que estão em andamento, ajudou a igreja a atingir sua meta de reduzir a reunião trienal de 10 para oito dias.

O Bispo Presidente Michael Curry abre a primeira TECConversation da 79ª Convenção Geral em julho de 2018. Foto: Mary Frances Schjonberg/Episcopal News Service

Alguns membros do Conselho Executivo perguntaram o que impedia a igreja de mover online os negócios essenciais da Convenção Geral, semelhante às reuniões online do Conselho Executivo que eram necessárias no início da pandemia.

“Para conseguir isso, é preciso muita capacidade técnica. Não temos tempo e espaço para fazer isso de maneira eficaz”, disse Curry.

O Rev. Michael Barlowe, secretário da Convenção Geral, acrescentou que seu escritório poderia ter planejado tal reunião online se tivesse mais tempo, mas permanecem dúvidas sobre se seria necessário mudar a Constituição e os Cânones da Igreja para permitir uma reunião online. ou reunião híbrida.

Sally Johnson, chanceler do presidente da Câmara dos Deputados, também abordou essas questões dizendo que seria prudente que a igreja desse tempo suficiente para discernimento sobre uma mudança tão significativa quanto permitir uma reunião online da Convenção Geral. “É preciso olhar. Precisa ser estudado”, disse ela, possivelmente para fazer mudanças a tempo das futuras reuniões trienais da igreja.

Os líderes da igreja já planejavam exigir prova de vacinação e máscaras faciais para todos os participantes. Se ocorrer uma reunião pessoal modificada, precauções adicionais podem incluir testes rápidos diários, proibição de alimentos no salão da convenção, maior distanciamento físico e não cantar. Tais cuidados serão orientados por princípios para planos de contingência que foram confirmados em 11 de maio por uma votação do Comitê Permanente Conjunto de Planejamento e Arranjos, que se reuniu online após o Conselho Executivo.

Nenhuma precaução pode eliminar todo o risco de infecção, que pode chegar a 10% dos participantes, disse o Dr. Rodney Coldren, especialista em saúde pública contratado para aconselhar Jennings com US$ 50,000 aprovados pelo Conselho Executivo. “Haverá casos. É simplesmente, essencialmente inevitável”, disse Coldren durante a reunião do conselho em 11 de maio, mas reduzir a duração e o número de pessoas que participam da Convenção Geral pode limitar significativamente o crescimento de infecções.

Jennings também compartilhou notas de suas reuniões de 4 e 10 de maio com Coldren. As notas, que resumem as recomendações de Coldren, dizem que uma Convenção Geral de quatro dias “seria muito preferível a uma reunião de oito dias”, embora os líderes da igreja ainda não tenham estabelecido datas precisas ou a nova duração de uma 80ª Convenção Geral mais curta.

Coldren se aposentou recentemente após 30 anos no Exército dos EUA e liderou a resposta do Exército ao COVID-19 na Europa e na África. Testes diários, em particular, podem ajudar a detectar casos pré-sintomáticos e assintomáticos antes que estimulem surtos mais amplos, disse ele, e cantar, “na minha experiência, foi responsável por mais surtos em geral do que quase qualquer atividade”.

O Rev. Mally Lloyd, presidente do Comitê de Finanças do Conselho Executivo, fez alusão ao golpe financeiro que a igreja enfrentará com uma Convenção Geral mais curta e menor.

“Isso não vai economizar dinheiro”, disse Lloyd. “Estamos no gancho por nossos depósitos, por nossos quartos de hotel.” Ela não especificou quanto dinheiro a Igreja Episcopal poderia perder ao quebrar alguns desses compromissos, mas esperava que os detalhes fossem elaborados pelos planejadores da Convenção Geral.

Em sua reunião de janeiro, o Conselho Executivo transferiu US$ 2.5 milhões de 2021 para o orçamento da igreja em 2022 para cobrir a reunião em Baltimore. O Episcopal News Service está aguardando uma resposta a um inquérito com Barlowe, Lloyd e o diretor financeiro Kurt Barnes sobre os potenciais passivos financeiros da igreja de mudanças na reunião pessoal.

Lloyd disse ao Episcopal News Service em uma entrevista antes da reunião de 11 de maio que ela inicialmente era fortemente a favor do adiamento da Convenção Geral, em parte por causa do surto entre seus colegas membros do Conselho Executivo. Por outro lado, “precisamos realmente fazer os negócios da igreja”, disse ela, “para que possamos fazê-lo menor, mais seguro e aceitar que algumas pessoas terão [COVID-19]?”

Após a reunião especial do Conselho Executivo, Sherri Dietrich, presidente do conselho da Oferta Unida de Agradecimento da igreja, emitiu um comunicado dizendo que o conselho decidiu em 9 de maio que não enviaria uma delegação da UTO para participar da 80ª Convenção Geral, em parte devido a preocupações com o COVID-19 mas também porque “não é a melhor utilização do orçamento da UTO continuar a estar presente no evento pois estávamos pré-pandemia”.

A reunião especial do Conselho Executivo foi convocada, sob uma disposição raramente usada nos Cânones da Igreja, por seis membros do Conselho Executivo, incluindo os presidentes das quatro comissões permanentes do corpo diretivo. Esses seis membros eram Lloyd de Massachusetts, o bispo Dabney Smith do sudoeste da Flórida, Julia Ayala Harris de Oklahoma, Jane Cisluysis do norte de Michigan, Russ Randle da Virgínia e Rose Sconiers do oeste de Nova York.

Harris disse à ENS antes da reunião de 11 de maio que ela havia participado de uma reunião em Baltimore dos Deputados de Cor no fim de semana passado, e a maioria das pessoas com quem ela conversou era a favor de alguma forma de Convenção Geral presencial. “Nós realmente precisamos ficar juntos um pouco – esse era o sentido geral”, disse ela.

Como Jennings, Harris disse que sua perspectiva foi moldada por sua própria experiência de adoecer com o COVID-19 após a reunião do Conselho Executivo. Ela se recuperou principalmente, mas ainda sente alguma fadiga da doença.

“Para mim, pessoalmente, foi um grande alerta”, disse ela, acrescentando que teve a sorte de poder se recuperar em casa. As pessoas que adoecem na Convenção Geral podem ter que ficar em quarentena em seus quartos de hotel. “Eu não conseguia imaginar estar tão doente quanto estava em um hotel sozinho sem minha família me ajudando.”

Os presidentes disseram que seu próximo passo será formar uma pequena equipe de design liderada pelo bispo Sean Rowe e pelo deputado Bryan Krislock, parlamentares de suas respectivas casas, para elaborar um plano de mudanças que será apresentado ao Comitê Permanente Conjunto de Planejamento e Arranjos. Uma consideração será como determinar qual legislação pendente é crítica o suficiente para que não possa esperar até 2024.

“O crítico está nos olhos de quem vê”, disse Jennings em resposta a uma pergunta do Rev. Charles Graves da Diocese do Texas, embora a equipe de design trabalhe com os presidentes dos comitês legislativos para priorizar as resoluções atribuídas a eles. Jennings acrescentou mais tarde que esperava que as principais prioridades incluíssem propostas para a 80ª Convenção Geral pelo Grupo de Trabalho dos Oficiais Presidentes sobre Verdade, Apuração e Cura. Bispos e deputados também devem votar a favor da reunião, ou fusão, das dioceses do Texas e do norte do Texas.

Curry e Jennings não especificaram um cronograma para a tomada de decisões finais, mas disseram que os líderes da igreja trabalhariam com rapidez e eficiência, com a Convenção Geral a menos de dois meses.

O comitê permanente conjunto discutiu ainda a proposta preliminar dos presidentes em sua reunião de 11 de maio. O bispo de Maryland, Eugene Sutton, membro do comitê permanente conjunto, reconhece a decepção de sua diocese com a redução da Convenção Geral, bem como a possível perda financeira com cerca de US$ 25,000 comprometidos com fornecedores locais. Mesmo assim, “é o caminho responsável a seguir”, disse ele.

“Obviamente, isso é difícil e será muito difícil para Baltimore. Vai ser difícil para a Diocese de Maryland. Mas nós entendemos”, disse Sutton. “Todos nós passamos por isso nos últimos dois anos; todos nós queríamos ficar juntos, e simplesmente não podemos.”

- David Paulsen é editor e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser encontrado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags