Comissões da Convenção Geral recebem o público nas primeiras audiências legislativas online

Por David Paulsen
Postado 4 de fevereiro de 2022

[Serviço de Notícias Episcopais] A pandemia provocou mudanças dramáticas na forma como a Igreja Episcopal conduzirá seus 80th Convenção Geral – começando com sua programação. Após um atraso de um ano, bispos e deputados se reunirão pessoalmente de 7 a 14 de julho em Baltimore, Maryland, mas não há necessidade de esperar até julho em Baltimore para oferecer sugestões sobre as resoluções. Comitês estão realizando algumas de suas audiências online pela primeira vez, a partir de 17 de fevereiro.

Alguns comitês já se reuniram no Zoom para se organizar e começar a revisar as resoluções já apresentadas. Episcopais e outros membros do público interessados ​​podem se inscrever para observar essas reuniões on-line, e as inscrições estão abertas para testemunhar em audiências on-line, por meio de um processo estabelecido pelo Escritório Geral de Convenções.

“Acredito que o bom trabalho que estamos vendo agora, e as horas extras que nossos deputados e bispos estão gastando antes de nos reunirmos em Baltimore, aumentarão muito nossa capacidade de discutir questões importantes para a missão e ministério da igreja”, o Rev. Michael Barlowe, o secretário da Convenção Geral, disse ao Episcopal News Service por e-mail.

A realização de audiências com meses de antecedência da Convenção Geral é possível este ano porque o adiamento forçado da pandemia de 80th Convenção Geral de 2021 a 2022 significou relatórios e propostas de resolução estavam prontos para revisão muito mais cedo no processo do que o normal. “É também um exemplo da capacidade de nossa igreja de se adaptar às necessidades do Evangelho – algo que a Igreja Episcopal vem fazendo desde 1785”, disse Barlowe.

Mais de 120 bispos e 483 deputados foram designados para comitês legislativos para a 80ª Convenção Geral. Os comitês começaram a se reunir oficialmente no último dia 1º de novembro, e o período designado para audiências online será de 17 de fevereiro a 21 de maio. Discipulado.

Cada proposta de resolução é atribuída a comissões paralelas compostas por membros da Câmara dos Deputados e da Câmara dos Bispos e encarregadas de um dos duas dúzias de áreas de foco. Os comitês de deputados e bispos normalmente se reúnem como um comitê para revisar suas resoluções designadas. Se o comitê recomendar uma resolução, ela avança para consideração separadamente pelo plenário da Câmara dos Deputados e da Câmara dos Bispos, os quais devem aprovar para que uma resolução seja ratificada.

“Em geral, é uma coisa muito boa que estamos tentando este experimento para começar as coisas mais cedo”, disse Louisa McKellaston, deputada da Diocese de Chicago, à ENS por telefone. Ela preside o Comitê de Governança e Estrutura da Câmara dos Deputados, que realizou sua primeira reunião no Zoom em 5 de janeiro com seu comitê de bispos correspondente. “Estamos nessa pandemia há quase dois anos. As pessoas estão bastante familiarizadas com como as coisas funcionam eletronicamente.”

O comitê de Agências e Conselhos se reuniu em 18 de janeiro para apresentações e para revisar a única resolução submetida até agora para sua consideração: D003, que defende a criação de um fundo para ajudar igrejas com poucos recursos a pagar suas contribuições de pensão do clero.

“Houve muita energia gerada em torno disso nesta reunião”, disse Jane Cisluycis, da Diocese do Norte de Michigan, à ENS por e-mail. Ela preside o comitê de deputados sobre Agências e Conselhos, que receberá depoimentos públicos em 17 de fevereiro. “Estamos ansiosos para receber deputados, bispos e outros que desejam falar sobre esta resolução”.

O novo processo do comitê legislativo foi delineado pelo parlamentar da Câmara dos Deputados, Bryan Krislock, em um artigo de novembro no site da Câmara dos Deputados. “O objetivo deste processo é equilibrar a necessidade de contribuição pública com a necessidade de antecipar o calendário legislativo”, escreveu Krislock.

Embora os órgãos provisórios proponham muitas das resoluções, dioceses, bispos, deputados e outros indivíduos também podem propor resolução, até três cada. Eles são incentivados a apresentar resoluções até 28 de fevereiro para consideração durante o período pré-convenção da atividade legislativa.

O testemunho durante as audiências legislativas não se limita a bispos, deputados ou mesmo episcopais, mas é aberto ao público. Tudo o que é necessário é inscrição antecipada; um computador, tablet ou smartphone; e uma ligação à Internet. Embora nenhum conhecimento prévio seja necessário, aqueles que desejam testemunhar podem se beneficiar aprendendo os fundamentos da Convenção Geral.

O que é Convenção Geral?

A Convenção Geral é tanto o principal órgão de governo da igreja quanto sua maior reunião em toda a igreja. Normalmente se reúne em uma cidade diferente a cada três anos e é um centro de atividades legislativas, networking e comunhão. Como um corpo governante bicameral, divide sua autoridade entre a Câmara dos Bispos e a Câmara dos Deputados.

Entre suas responsabilidades está a aprovação de um orçamento para toda a igreja, bem como centenas de resoluções adicionais cobrindo tudo, desde revisões litúrgicas às posições da igreja sobre questões de políticas públicas, desde insegurança alimentar até licença familiar remunerada e reforma abrangente da imigração. A Convenção Geral normalmente considera entre 500 e 600 resoluções.

No 80th Convenção Geral, a Câmara dos Deputados também elegerá um novo presidente e vice-presidente, funções que se limitam a três mandatos consecutivos. A Rev. Gay Clark Jennings está terminando seu terceiro mandato como presidente, e este é o mandato final do vice-presidente cessante Byron Rushing. Cada um está cumprindo mais um ano porque a reunião presencial em Baltimore foi adiada.

Como os organizadores antecipam que as audiências online do comitê reduzirão o número de audiências presenciais necessárias, os líderes da igreja conseguiram encurtar a 80ª Convenção Geral de 10 a oito dias, 7 a 14 de julho, ajudando a igreja a atingir seu objetivo de reduzir a duração da reunião trienal.

Fique por dentro das informações nos relatórios do Blue Book

Numerosos relatórios compõem o que é conhecido como o Livro Azul, que resume o trabalho das comissões permanentes, forças-tarefa e outros órgãos provisórios. Os relatórios muitas vezes são submetidos à Convenção Geral com sugestões de resolução. Em 2018, os relatórios foram divulgados publicamente em fevereiro, seguindo o prazo típico que permite alguns meses para revisão do comitê antes da Convenção Geral em julho.

Uma vez que os organismos provisórios concluíram os seus trabalhos conforme previsto, apesar do adiamento da 80.th Convenção Geral, o Escritório de Convenções Gerais pôde publicar seus relatórios do Blue Book on-line a partir de abril de 2021, dando aos comitês e ao público mais de um ano para revisá-los.

Uma cópia impressa do Livro Azul é impressa em três volumes, mas também pode ser acessado aqui como PDF ou como relatórios individuais.

Acompanhe resoluções e comitês com o Virtual Binder

As resoluções uma vez foram impressas e incluídas em pastas físicas para bispos e deputados consultarem durante suas deliberações na Convenção Geral. Agora todas essas informações, incluindo calendários de atividades do comitê, são oferecidas em um formato online conhecido como Virtual Binder que é mantido pelo Escritório Geral de Convenções.

Para as pessoas interessadas em assistir ou testemunhar em audiências de comitês, o Virtual Binder fornece o lista completa das 143 resoluções apresentados até agora e as datas e horários das próximas reuniões. Anote as informações da audiência antes de se inscrever para participar.

Inscrição antecipada necessária para reuniões online

Ninguém poderá participar de uma reunião ou audiência do comitê sem preencher um formulário de inscrição on-line, especificando o nome do comitê, data e hora. As inscrições devem ser recebidas pelo menos dois dias úteis antes da reunião.

McKellaston, a deputada de Chicago, disse que, embora lamente que os membros de seu comitê não possam se conhecer pessoalmente até julho, ela saudou as reuniões on-line como uma oportunidade sem precedentes para mais pessoas observarem e se envolverem no processo legislativo.

“Estou gostando de poder me encontrar durante os horários em que espero que mais pessoas estejam disponíveis”, disse ela. “Esperamos ouvir de um público mais amplo.”

O comitê de Governança e Estrutura se reunirá em 9 de fevereiro para criar subcomitês para revisar suas nove propostas de resolução. McKellaston disse que também planeja determinar quais resoluções irão para a audiência marcada para 23 de fevereiro.

Uma das resoluções, a A097, propõe uma avaliação minuciosa deste novo processo legislativo online, “com a intenção de criar um modelo de avaliação de futuras experiências de mudança adaptativa, reconhecendo que a Igreja Episcopal deve continuar a mudar e evoluir para responder à missão de Deus em todos os seus contextos”.

“Basicamente, [estamos] olhando para isso como um experimento maravilhoso”, disse McKellaston, “o que funciona e o que não funciona e como seguir em frente”.

- David Paulsen é editor e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser encontrado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags