O Bispo Presidente responde à proibição militar transgênero de Trump

Postado Jul 28, 2017

[Escritório de Relações Públicas da Igreja Episcopal] “Estou compelido a me opor a essas ações e a afirmar o princípio moral de direitos iguais para todas as pessoas, incluindo as comunidades LGBTQ”, afirmou o Bispo Presidente e Primaz da Igreja Episcopal Michael B. Curry em sua declaração. “Faço-o como seguidor de Jesus Cristo, como Bispo Presidente da Igreja Episcopal e como cidadão que ama este país.”

Segue a declaração do bispo presidente.


À luz do tweet do presidente Trump proibindo indivíduos transgêneros de servir nas forças armadas e o argumento do Departamento de Justiça de que os empregadores podem discriminar legalmente as pessoas com base na orientação sexual, sou obrigado a me opor a essas ações e a afirmar o princípio moral da igualdade de direitos para todas as pessoas, incluindo as comunidades LGBTQ. Faço-o como seguidor de Jesus Cristo, como Bispo Presidente da Igreja Episcopal e como cidadão que ama este país.

Essa convicção não nasce principalmente de um ideal social, mas dos ensinamentos de Jesus de Nazaré e do testemunho de nossa tradição bíblica e teológica.

Gênesis 1: 26-27 nos ensina que todos os seres humanos foram criados à imagem e semelhança de Deus. Esta é uma declaração divina da santidade, dignidade e igualdade inerentes a cada pessoa.

Além disso, a santidade de cada pessoa humana e o princípio da igualdade humana perante Deus estão profundamente arraigados nos ensinamentos de Jesus de Nazaré. Em Marcos 22:26 e Lucas 13: 10-17, Jesus ensina o valor e a dignidade inerentes à pessoa humana. Em Mateus 5: 43-38, ele nos fala do amor de Deus por todas as pessoas igualmente. Em Lucas 10: 25-37, ele nos manda amar a Deus e amar todas as pessoas. Acima de tudo, Jesus ensina que devemos tratar todos os outros como gostaríamos de ser tratados (ver Lucas 6: 31-36).

Como seguidores de Jesus Cristo, acreditamos que a santidade, dignidade e igualdade inerentes a todo ser humano como filho de Deus é parte do fundamento moral de nossa fé. Na Igreja Episcopal, prometemos no Santo Batismo “respeitar a dignidade de cada pessoa” e “buscar e servir a Cristo em todas as pessoas”.

Como americanos, acreditamos na igualdade civil e humana, como um dos ideais fundamentais do nosso país. A discriminação com base na identidade de gênero ou orientação sexual é uma violação do ideal fundamental de igualdade na América. A Declaração de Independência diz: “Consideramos essas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais, que são dotados por seu Criador de certos direitos inalienáveis”.

Esses direitos - e a proteção contra a discriminação - se aplicam igualmente a todos os americanos.

Eu realmente acredito que a imensa bondade, bondade e senso de justiça do povo americano se resumem nas palavras do Pledge of Allegiance, que diz que somos “uma nação, sob Deus, indivisível, com liberdade e justiça para todos. ” É aí que está a alma da América!

Portanto, aos indivíduos transgêneros que atualmente servem nas forças armadas: obrigado. Somos gratos por seu serviço e por seus sacrifícios. Apoiamos você e todos os membros do serviço e veteranos. Vocês são nossos vizinhos, irmãos e irmãs na família humana de Deus e concidadãos deste país que amamos.

O mais Rev. Michael B. Curry
Bispo Presidente e Primaz
Igreja Episcopal


Tags