Arcebispo de Jerusalém agradece aos apoiadores episcopais pelas orações e doações em meio à guerra ‘devastadora’ na Terra Santa

Por David Paulsen
Postado em 21 de novembro de 2023
Naoum e Curry

O Arcebispo Hosam Naoum, da Diocese de Jerusalém, fala em um webinar em 21 de novembro com o Bispo Presidente Michael Curry.

[Serviço de Notícias Episcopais] O Arcebispo Hosam Naoum, o principal líder anglicano no Oriente Médio, juntou-se ao Bispo Presidente Michael Curry para um webinar em 21 de novembro, no qual ele descreveu as terríveis condições em meio à guerra Israel-Hamas, enquanto agradecia aos episcopais por suas orações e apoio.

“O que estamos passando é algo que não desejo que nenhuma pessoa ou nação passe”, disse Naoum na sessão Zoom, organizada por Escritório de Relações Governamentais da Igreja Episcopal. “O que está acontecendo aqui é absolutamente devastador. … Meu coração pessoalmente ficou absolutamente partido ao ver tanto sofrimento e morte nesta área, dentro do país.”

Israel declarou guerra ao Hamas depois que o grupo militante atacou e invadiu comunidades judaicas no sul de Israel, matando cerca de 1,400 pessoas e levando cerca de 200 reféns de volta ao reduto do Hamas em Gaza. Israel respondeu lançando um intenso e prolongado bombardeamento aéreo seguido de uma invasão terrestre de Gaza que matou mais de 13,000 palestinianos, de acordo com o ministério da saúde administrado pelo Hamas.

Também em 21 de novembro, Os líderes israelitas e do Hamas indicaram eles podem estar perto de concordar com pelo menos um cessar-fogo limitado após seis semanas de combates.

Naoum é o bispo da Diocese de Jerusalém e o primaz da maior província anglicana que inclui Jerusalém, Israel e os territórios palestinos de Gaza e Cisjordânia. Os ministérios da Diocese de Jerusalém incluem escolas e hospitais abertos a pessoas de todas as religiões, e seus Hospital Ahli Arab na cidade de Gaza tem estado na linha da frente da resposta humanitária à crise no território.

“Na última semana, especificamente, foi o mais difícil”, disse Naoum, referindo-se a um período em que os militares israelenses cercaram a Cidade de Gaza e conduziram uma busca lenta por líderes e homens armados do Hamas enquanto investigavam seus esconderijos suspeitos em túneis sob a cidade.

Os tanques israelenses chegaram ao Hospital Ahli Arab há cinco dias, disse Naoum, e “durante um dia, ninguém da equipe do hospital pôde sair ou entrar”. O hospital emprega 35 médicos e enfermeiras e atende mais de 100 pacientes e seus familiares no complexo.

O cerco de Israel a Gaza, após o ataque do Hamas em 7 de outubro, cortou o território do fluxo normal de suprimentos essenciais, incluindo alimentos, água e combustível, e os 22 hospitais no norte de Gaza lutou para continuar atendendo pacientes apanhados pela escalada da violênciae. Naoum disse que Ahli é agora o único hospital no norte de Gaza ainda capaz de fornecer cuidados médicos e, sem suprimentos de emergência adicionais, teme que o hospital não consiga continuar a funcionar por mais de uma semana.

Hospital Al Ahli Arab

O Hospital Al Ahli Arab tem ministrado como testemunha cristã na cidade de Gaza desde 1882. A instituição foi fundada pela Church of England's Church Mission Society e mais tarde foi administrada como uma missão médica pela Southern Baptist Conference de 1954 a 1982. Em seguida, voltou para a Igreja Anglicana. Foto: Mary Frances Schjonberg / Episcopal News Service

Ao mesmo tempo, Naoum agradeceu a todos os que fizeram doações a organizações de ajuda humanitária e ao Amigos americanos da Diocese Episcopal de Jerusalém, para apoiar o Hospital Ahli e os demais ministérios da diocese.

“Sou eternamente grato por tantas orações e tanto apoio que temos recebido”, disse Naoum, e invocou o ideal de Jerusalém como uma cidade santa para todas as principais religiões da região. “Jerusalém é um desejo de paz e reconciliação. (…) Como filhos de Deus, como filhos de Abraão, temos que aprender com estas lições difíceis e até mesmo lições mortais, para procurar um futuro melhor para todos os nossos filhos.”

Curry emitiu um declaração escrita em 7 de novembro condenando a violência e apelando ao fim da matança de todas as partes. Ele repetiu essa declaração em comentários durante o webinar com Naoum, dizendo que os episcopais podem levantar as suas próprias vozes em apoio à paz.

“Pare com a matança”, disse Curry. “Parem com a matança de palestinos, de israelenses, de crianças. … E então traga todos para a mesa da paz.”

– David Paulsen é repórter sênior e editor do Episcopal News Service. Ele pode ser alcançado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags