Diocese da Flórida planeja convocação para promover um 'novo dia' de cura após divisões sob Howard

Por David Paulsen
Postado em 13 de novembro de 2023
Convenção da Flórida

A Diocese da Flórida realiza sua convenção em 11 de novembro na Escola Episcopal de Jacksonville, conforme pode ser visto no vídeo dos procedimentos.

[Serviço de Notícias Episcopais] A Diocese da Flórida no dia 11 de novembro realizou sua primeira convenção desde a aposentadoria do Bispo John Howard, e os membros do comitê permanente comprometeram-se a iniciar “um novo dia” de cura depois que a diocese foi dilacerada por divisões no final do episcopado de 20 anos de Howard.

Nos últimos meses, os líderes diocesanos trabalharam com a Bispa Mary Gray-Reeves, vice-presidente da Câmara dos Bispos e uma mediadora de conflitos treinada, para ajudar a orientar o processo de cura. Na convenção diocesana, os líderes revelaram detalhes de uma convocação que Gray-Reeves está programada para facilitar em 27 de janeiro, enquanto a diocese discerne os próximos passos.

“É um novo dia na Diocese da Flórida e há muito o que comemorar”, disse o Rev. Joe Gibbes, presidente cessante do comitê permanente. disse em seu discurso na convenção. “Há um trabalho realmente excelente sendo feito. Também há muito trabalho a fazer.” Gibbes aludiu às divisões na diocese sob Howard, cuja aposentadoria entrou em vigor em 31 de outubro.

Os oponentes acusaram Howard de um padrão de discriminação contra o clero LGBTQ+ e seus aliados. Essas alegações chegaram ao auge no ano passado, nas duas tentativas de eleição do sucessor de Howard. O Rev. Charlie Holt foi eleito duas vezes, mas nunca consagrado depois alguns clérigos e líderes leigos da Flórida prevaleceram em suas objeções aos procedimentos diocesanos, à aptidão de Holt para servir e à cultura de liderança sob Howard.

Em vez de elaborar essas controvérsias em seu discurso, Gibbes exortou os membros da diocese a se unirem. Aqueles que discordam não devem ser descartados como “o problema”, disse ele, porque há mágoas de todos os lados e ouvir uns aos outros com compaixão cristã é o único caminho a seguir.

“É hora de depor as armas”, disse Gibbes. “Estamos, como diocese, numa bifurcação no caminho, e o caminho que seguirmos determinará o futuro desta diocese. A bifurcação na estrada não é uma escolha entre ideologias conservadoras tradicionais, por um lado, e ideologias liberais progressistas, por outro. … Há muito mais em jogo do que isso. A escolha que temos diante de nós é entre o florescimento mútuo e a desintegração diocesana”.

A convenção foi realizada na Escola Episcopal de Jacksonville. Esperava-se que delegados do clero e leigos votassem numa série de mudanças nos cânones e estatutos da diocese isso incluía uma medida que teria endurecido os critérios da diocese para os delegados que votam nas convenções, inclusive para bispo. A convenção foi adiada, no entanto, sem adotar a maioria dessas resoluções, incluindo a medida que altera os critérios dos delegados, em meio a preocupações de que o quórum não estivesse mais presente no final do dia.

No início do dia, a Rev. Teresa Seagle, membro permanente do comitê que retornou, ecoou o apelo de Gibbes para que os membros diocesanos estivessem abertos ao processo de cura.

“É um novo dia e sim, há trabalho a fazer. Há coisas que devem ser abordadas”, disse Seagle em seu discurso na convenção. “O mais importante é que temos que ouvir uns aos outros. Temos que cuidar uns dos outros.”

Seagle também anunciou que uma convenção diocesana de 2024 estava agendada para setembro próximo. A comissão permanente, que assumiu a autoridade eclesiástica após a reforma de Howard, tem estado em conversações com alguns candidatos para bispo auxiliar ou bispo provisório, acrescentou ela, mas ainda não foi tomada nenhuma decisão. Entretanto, o Bispo Jay Lambert concordou em ajudar a diocese pelo menos até ao final de 2023.

O comitê permanente também deu as boas-vindas a Gray-Reeves para falar na convenção por vídeo.

“Estou honrado e grato pelo seu convite para acompanhá-lo nesta jornada”, disse Gray-Reeves. “Meu envolvimento com você nestes últimos meses tem sido terno, tem sido tênue, tem sido comovente. E eu sei que existe muito amor entre vocês, e que conflitos e críticas, acreditem ou não, são um sinal desse amor.”

– David Paulsen é repórter sênior e editor do Episcopal News Service. Ele pode ser alcançado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags