À medida que o mandato do bispo presidente Michael Curry termina, o comitê pede candidatos para sucedê-lo

Os critérios citados para o novo bispo presidente incluem liderança, fidelidade

Por David Paulsen
Postado em maio 15, 2023
Renascimento de Atlanta

O Bispo Presidente Michael Curry fala durante o ReviveATL em Atlanta, Geórgia, em 22 de janeiro de 2020. Foto: Diocese de Atlanta

[Serviço de Notícias Episcopais] O comitê encarregado de produzir uma lista de candidatos para o próximo bispo presidente da Igreja Episcopal emitiu um pedir indicações em 15 de maio com base no que identificou como os desafios centrais que a igreja enfrentará na próxima década: a necessidade de promover evangelismo, discipulado e formação enquanto responde a um mundo em mudança cheio de crises ambientais, violência, guerra, desigualdade e divisão.

O comitê, estabelecido sob os cânones da Igreja Episcopal como o Comitê Conjunto de Nomeações para a Eleição do Bispo Presidente, enfatizou em sua carta introdutória que o perfil recém-lançado para candidatos qualificados foi desenvolvido com contribuições de toda a igreja. Mais de 6,000 pessoas responderam à pesquisa do comitê, compartilhando suas esperanças e preocupações sobre o futuro da igreja e do mundo. O comitê então entrevistou dezenas de líderes da igreja, incluindo bispos atuais e anteriores.

“Este perfil articula de nossa perspectiva onde acreditamos que a Igreja Episcopal está hoje e para onde Cristo agora nos chama”, disse o comitê, chamando este de um “momento decisivo” para a igreja. “A igreja enfrenta desafios e oportunidades que são diferentes de tudo que encontramos nos últimos tempos.”

Nos próximos dois meses, qualquer um pode use o formulário de indicação do comitê enviar nomes de bispos para a consideração do comitê. O comitê de 20 membros é presidida pelo Bispo do Alasca Mark Lattime e Steven Nishibayashi, um líder leigo na Diocese de Los Angeles.

Os bispos presidentes são eleito para mandatos de nove anos pela Câmara dos Bispos com o consentimento da Câmara dos Deputados na Convenção Geral. O bispo presidente Michael Curry, eleito em 2015, está agora no oitavo ano de seu mandato. Seu sucessor será eleito em junho de 2024 na 81ª Convenção Geral em Louisville, Kentucky, e empossado como o 28º bispo presidente da igreja em 1º de novembro de 2024.

No recém-divulgado perfil do bispo presidente, o comitê de nomeação identificou várias qualidades necessárias em “um bispo presidente para o nosso tempo”. Entre as características mais importantes estão a forte liderança, o amor pela comunicação e a fidelidade.

Curry, ex-bispo da Carolina do Norte, é bem conhecido por seus sermões empolgantes, e seu sucessor deve ser “alguém que ama pregar” e “que deseja trazer uma palavra à Igreja Episcopal e ao mundo”, disse o comitê . Os indicados para o bispo presidente devem ter demonstrado liderança diocesana que é “estratégica, articulada, colaborativa, comprometida e graciosa” enquanto também “edifica o corpo de Cristo”.

O comitê também citou a fidelidade como uma qualidade frequentemente identificada pelos entrevistados e entrevistados como essencial em um bispo presidente. “O próximo bispo presidente deve ser aquele que está profundamente fundamentado em sua fé e esperança em Cristo e firmemente comprometido com a tradição viva da Igreja Episcopal. Eles devem ser totalmente autênticos e uma pessoa de integridade palpável, sempre prontos para prestar 'prestação de contas da esperança que há neles'”, diz o comitê, citando 1 Pedro.

O bispo presidente tem uma série de responsabilidades, conforme descrito na Constituição e nos Cânones da Igreja Episcopal. Isso inclui presidir a Câmara dos Bispos, presidir o Conselho Executivo, visitar todas as dioceses episcopais, participar da ordenação e consagração de bispos, receber e responder a queixas disciplinares contra bispos, fazer nomeações para órgãos interinos da igreja e “desenvolver políticas e estratégias pela igreja e falando pela igreja sobre as políticas, estratégias e programas da Convenção Geral.”

Existem poucos requisitos canônicos para os candidatos a bispo a presidir. Eles devem ser membros da Câmara dos Bispos e ainda não podem ter atingido a idade de aposentadoria obrigatória da igreja de 72 anos. Nada proíbe a eleição de um bispo presidente que completaria 72 anos no meio do mandato de nove anos, embora historicamente os nomeados possam para completar os nove anos completos.

O prazo para envio de indicações é 15 de julho. O comitê entrará em contato com os bispos indicados para confirmar seu interesse em discernir uma chamada para o bispo presidente. Aqueles que desejam prosseguir devem enviar os materiais de inscrição até 15 de agosto.

O comitê de nomeação é canonicamente obrigado a escolher pelo menos três candidatos para sua chapa, que anunciará na primavera de 2024. Nomeados adicionais podem ser adicionados por meio de um processo de petição.

Todas as indicações serão apresentadas oficialmente para consideração na Convenção Geral de junho de 2024 durante uma sessão conjunta da Câmara dos Deputados e da Câmara dos Bispos. No dia seguinte, a Câmara dos Bispos elegerá um desses candidatos “pelo voto da maioria de todos os bispos, excluindo os bispos aposentados ausentes, exceto que sempre que dois terços da Câmara dos Bispos estiverem presentes, o voto da maioria será suficiente, ” de acordo com a Constituição da Igreja Episcopal.

Um relatório dessa votação será encaminhado à Câmara dos Deputados, que deve votar para confirmar ou rejeitar a escolha da Câmara dos Bispos.

“O próximo bispo presidente construirá sobre o alicerce criado por aqueles que vieram antes deles e liderará nossa igreja no próximo trecho de nossa jornada para nos tornarmos a igreja que Jesus nos confiou para construir”, disse o comitê em um comunicado. comunicado de imprensa anunciando o perfil e convocação de indicações. “Como seus servos neste processo, agora convidamos toda a igreja a se juntar a nós neste trabalho de uma maneira particular, sugerindo indivíduos que possam ser chamados para ser nosso próximo bispo presidente e para o trabalho que está diante de nossa igreja”.

– David Paulsen é repórter sênior e editor do Episcopal News Service. Ele pode ser alcançado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags