Delegadas episcopais à comissão de mulheres da ONU discutem suas experiências na defesa da justiça de gênero

Por Melodie Woerman
24 de março de 2023

[Serviço de Notícias Episcopais] Nove mulheres episcopais que serviram como delegados aos 67th Nações Unidas Comissão sobre o Status da Mulher se reuniram em um webinar no dia 23 de março para discutir os temas importantes que abordaram e as experiências que tiveram durante o encontro, que aconteceu de 6 a 17 de março. O tema do evento anual da ONU foi inovação e mudança tecnológica e educação na era digital para alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas.

Os nove compareceram em nome do Bispo Presidente Michael Curry e representaram seu prioridades identificadas em seus trabalhos:

  1. Estenda a acessibilidade a todos e priorize mulheres e meninas marginalizadas.
  2. Garantir a proteção dos direitos humanos, segurança e proteção.
  3. Acelerar a educação para a igualdade de gênero para todos.

A delegação do bispo presidente estava entre os mais de 7,000 representantes credenciados que compareceram ao evento, de acordo com Lynnaia Main, representante da Igreja Episcopal nas Nações Unidas

Ela chamou esta delegação episcopal de a mais coesa em anos, em parte porque eles puderam se reunir pessoalmente pela primeira vez desde 2019, mas também porque se dedicaram muito a se conectar uns com os outros. “Nossos parceiros ecumênicos comentaram sobre sua diligência e fidelidade”, disse ela durante o webinar, acrescentando: “eles deixaram sua marca”.

Um delegado que não pôde estar em Nova York participou online, pela primeira vez para uma delegação totalmente híbrida.

Membros da delegação do bispo presidente caminham para as Nações Unidas em 6 de março para o dia de abertura de sua 67ª Comissão sobre a Situação da Mulher. Foto: © David M Rider, usado com permissão

Durante cada UNCSW, os estados membros da ONU adotam um documento de “conclusões acordadas”, e Main disse que o trabalho dos delegados dos bispos presidentes deste ano teve um impacto em seu desenvolvimento. “Ficamos satisfeitos em ver várias de nossas prioridades refletidas nas conclusões acordadas, especialmente em relação à extensão do acesso digital de forma a proteger a segurança, a proteção e os direitos humanos de todos”.

Vários delegados disseram que uma das questões mais perturbadoras que discutiram foi a violência de gênero, com o Rev. Lilo Carr Rivera, da Diocese de Long Island, observando que o termo era usado com tanta frequência que era referido pelas iniciais GBV, “que foi meio horrível, francamente. A Rev. Luz Maria Lambis Garces, da Diocese da Colômbia, acrescentou que a violência muitas vezes acontece com mulheres e meninas online, bem como pessoalmente, e isso não deve ser negligenciado.

Uma linha comum para muitos delegados foi aprender mais sobre a natureza predominante da desigualdade de gênero em todo o mundo. Yvonne Lodico, da Diocese de Vermont, observou que a desigualdade existe não apenas nos países em desenvolvimento, mas também em nações desenvolvidas como os Estados Unidos. Homens e meninos também precisam se posicionar e desempenhar um papel na mudança disso, acrescentou Ailysh Cooper, da Diocese de Chicago.

Os delegados também puderam participar de centenas de eventos oferecidos pelos Estados membros da ONU e por organizações não-governamentais. Para Mary Ellen Arthurs, da Diocese da Virgínia, isso incluiu a oportunidade de ouvir duas mulheres no Afeganistão via Zoom, que descreveram “as atrocidades que enfrentavam todos os dias”, disse Arthurs, além de temer por suas vidas toda vez que ouviam um bater à sua porta, sabendo que isso pode significar “o fim de sua educação ou, pior ainda, o fim de suas vidas”.

A presidente da Câmara dos Deputados Julia Ayala Harris (centro) tira uma selfie depois de se encontrar com membros da delegação do bispo presidente à UNCSW em 14 de março. Com ela estão (da esquerda) Ailysh Cooper, Ellen Lindeen, o Rev. Lilo Carr Rivera, Mary Ellen Arthurs e Lynnaia Main, que é a representante da Igreja Episcopal nas Nações Unidas.

Em 14 de março, os delegados se reuniram com Julia Ayala Harris, presidente da Câmara dos Deputados, que em 2015 foi delegada do bispo presidente da UNCSW e em 2016 foi representante da Igreja Episcopal na delegação da Comunhão Anglicana.

Os delegados também descreveram o culto matinal diário no Centro da Igreja da ONU fornecido por Mulheres Ecumênicas na ONU como destaque, além de estar no Salão da Assembleia Geral no dia 8 de março para a observância Dia Internacional da Mulher.

Auxiliando a delegação durante seu serviço estavam membros da equipe do bispo presidente, incluindo representantes dos escritórios de Parcerias Globais e Relações Governamentais da Igreja Episcopal, bem como funcionários da Episcopal Relief & Development. Os ex-delegados também forneceram apoio.

Main também observou que, embora a Igreja Episcopal tivesse nove delegados oficiais participando da UNCSW, muitos outros episcopais estiveram presentes durante o evento como observadores, funcionários da ONU ou em ONGs participantes, incluindo Chiseche Mibenge, que é diretor de iniciativas de gênero na Episcopal Relief & Development.

Os delegados se reunirão novamente online em três meses, disse Main, para saber mais sobre como estão compartilhando suas experiências com outras pessoas e continuando a defender as prioridades do bispo presidente.

– Melodie Woerman é escritora freelancer e ex-diretora de comunicações da Diocese Episcopal do Kansas.


Tags