O Comitê Permanente da Flórida apoia o bispo eleito Holt, citando a “complexidade e fragilidade” da situação

Por David Paulsen
Postado 28 de fevereiro de 2023

[Serviço de Notícias Episcopais] O Comitê Permanente da Diocese da Flórida divulgou uma declaração em 28 de fevereiro indicando que estava demorando para “afirmar” que o reverendo Charlie Holt deveria ser o próximo bispo da diocese, enquanto lamentava o que chamou de “tempestade na mídia” que se seguiu “ao vazamento supostamente acidental” de um investigação sobre a eleição de novembro de Holt pelo Tribunal de Revisão de toda a igreja.

O intenso foco na eleição de um bispo coadjutor na Flórida - sua segunda eleição, após o Tribunal de Revisão em toda a igreja encontrou problemas processuais com a eleição de maio de 2022 – “ampliou consideravelmente a complexidade e a fragilidade da situação”, disse o comitê permanente. “Muitas vozes de toda a igreja estão envolvidas neste ponto.”

O Rev. Charlie Holt em um vídeo apresentando-se aos membros da Diocese da Flórida.

A declaração não citou detalhes, embora tenha ocorrido no mesmo dia em que os Deputies of Color, um grupo guarda-chuva da Câmara dos Deputados que representa suas quatro bancadas étnicas, divulgou uma carta a todos os bispos e comitês permanentes na igreja instando-os a negar o consentimento para a eleição de Holt. São necessárias maiorias de ambos os grupos para que uma eleição seja confirmada, de acordo com os Cânones da Igreja Episcopal.

A atualização do comitê permanente também segue um relatório do Episcopal News Service em 24 de fevereiro que confirmou e revelou novos detalhes sobre as alegações de discriminação anti-LGBTQ+ na diocese. Vários padres gays e lésbicas disseram que deveriam permanecer celibatários para servir na diocese, alegações que lançam dúvidas sobre a integridade da eleição de novembro, de acordo com o Tribunal de Revisão. Também encontrou falhas na forma como a diocese atribuiu a elegibilidade aos delegados leigos.

Um grande grupo de líderes episcopais LGBTQ+ também emitiu um comunicado na semana passada criticando a diocese por seu tratamento com clérigos gays e lésbicas e outros episcopais que apóiam políticas mais inclusivas.

As conclusões do Tribunal de Revisão não são obrigatórias, mas serão incluídas no pacote de informações enviado aos bispos e comitês permanentes buscando seu consentimento para a eleição de Holt. O comitê permanente está agora desenvolvendo uma resposta que será incluída ao lado do relatório do Tribunal de Revisão, presumivelmente para contrariar suas alegações de uma eleição maculada.

“Tanto o Comitê Permanente quanto o Rev. Charlie Holt estão decididos na decisão de pedir consentimento para a eleição de 19 de novembro”, disse o comitê permanente em sua última mensagem. “No entanto, dadas as circunstâncias que sabemos, não podemos simplesmente pedir consentimento da maneira usual. Devemos encontrar uma maneira de apresentar nosso caso aos Comitês Permanentes e aos Bispos da Igreja Episcopal de maneira clara, concisa, confiante e canonicamente sólida”.

Não deu prazo para oferecer sua resposta oficial, mas disse que divulgaria “todas as comunicações necessárias juntas em uma data que certamente está próxima”.

Holt serviu anteriormente como reitor associado de ensino e formação na Igreja de St. John the Divine em Houston, Texas. A Diocese da Flórida o contratou como funcionário diocesano enquanto a primeira eleição estava em análise. Ele ainda não falou publicamente sobre os resultados da última investigação do Tribunal de Revisão, embora tenha emitido uma declaração em dezembro sugerindo que o processo estava cobrando um preço pessoal.

“Não consigo pensar em mais nada na minha vida que me tenha forçado a me ajoelhar para rastejar sob o altar do Calvário como esse processo fez”, escreveu Holt em um e-mail à diocese em 5 de dezembro, referindo-se a uma peregrinação que fez para o Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém. “Foi uma verdadeira humilhação em todos os sentidos da palavra.”

O bispo cessante da Flórida, John Howard, convocou em fevereiro de 2021 a eleição de bispo coadjutor por causa de seu plano de se aposentar até o final deste ano. Ele atingirá a idade de aposentadoria obrigatória da Igreja Episcopal de 72 anos em setembro.

A seguir, o texto integral do mensagem do comitê permanente de 28 de fevereiro:


Desde que recebeu o relatório do Tribunal de Revisão em 16 de fevereiro, o Comitê Permanente tem buscado fervorosamente um caminho a seguir. Por mais complexas que tenham sido as questões em torno do próprio relatório, o vazamento supostamente acidental do relatório e a subsequente tempestade na mídia ampliaram consideravelmente a complexidade e a fragilidade da situação. Muitas vozes de toda a Igreja estão envolvidas neste ponto.

Por mais que estejamos trabalhando, sabemos que nosso silêncio provavelmente dá a impressão oposta. Então, com amor em nosso coração por você, queremos que você saiba onde estamos agora, da melhor maneira possível.

Tanto o Comitê Permanente quanto o Rev. Charlie Holt estão decididos na decisão de pedir consentimento para a eleição de 19 de novembro. No entanto, dadas as circunstâncias que sabemos, não podemos simplesmente pedir consentimento da forma habitual. Devemos encontrar uma maneira de apresentar nosso caso aos Comitês Permanentes e aos Bispos da Igreja Episcopal de maneira clara, concisa, confiante e canonicamente sólida.

Eles devem entender nosso contexto e nossos desafios, e entender por que a maioria da Diocese da Flórida acredita que o Rev. Charlie Holt é o padre que Deus chamou para nos liderar neste momento fraturado.

Estamos sempre cientes de que devemos fazer esse pedido de forma a ajudar a Diocese da Flórida e a Igreja Episcopal a começar a se curar do conflito dos últimos meses e a caminhar em direção à paz que Deus deseja para nós.

Neste ponto, estamos fazendo um bom progresso. No entanto, qualquer resposta que enviarmos à Diocese se tornará automaticamente parte de uma conversa mais ampla. Portanto, tomamos a decisão de liberar todas as comunicações necessárias em conjunto em uma data certamente próxima, mas ainda a ser determinada.

Sabemos que as emoções de todos os lados estão à flor da pele neste momento. Somos gratos a todos vocês por sua paciência e tolerância durante esta época difícil e pelo generoso tempo e apoio que recebemos de tantas pessoas em toda a Igreja Episcopal. Entraremos em contato novamente assim que finalizarmos nossos planos para iniciar o processo de consentimento.

Enquanto isso, imploramos que sejam gentis uns com os outros e tenham cuidado com as palavras que usam, em qualquer formato ou contexto. Nesta época santa e penitencial, comprometamo-nos, momento a momento, a amar a Deus e ao próximo, sacrificialmente, em pensamento, palavra e ação.

Você está em nossas orações e pedimos que nos mantenha nas suas.


Tags