Ministério Episcopal de Migração lança iniciativa para ajudar migrantes LGBTQ+ e busca informações por meio de pesquisa

Por Egan Millard
Postado em 30 de janeiro de 2023

[Serviço de Notícias Episcopais] Ministérios Episcopais de Migração, o programa da igreja que reassenta refugiados nos Estados Unidos, está lançando uma nova iniciativa para ajudar os episcopais a receber migrantes que fogem da perseguição anti-LGBTQ+.

A Rainbow Initiative, criada em resposta a uma resolução da Convenção Geral, ajudará as congregações episcopais a entender as circunstâncias dos migrantes LGBTQ+ que são deslocados à força, criar novas parcerias com outros grupos e organizar eventos para o Mês do Orgulho em junho de 2023. Também envolve uma pesquisa em toda a igreja , aberto até 20 de fevereiro, avaliando o conhecimento dos episcopais - e a participação nos - esforços para receber os requerentes de asilo LGBTQ +.

Faça a pesquisa aqui:

Inglês: https://www.surveymonkey.com/r/ZCDDS38

Espanhol: https://www.surveymonkey.com/r/ZCP6GWK

Francês: https://www.surveymonkey.com/r/ZJT65MG

“Embora a EMM esteja envolvida neste trabalho no nível da afiliada local, vemos isso como uma oportunidade de envolver ainda mais a igreja em geral sobre a situação dos migrantes forçados LGBTQ+ e as maneiras pelas quais podemos trabalhar juntos para fornecer educação e apoio”, EMM Operations A diretora Sarah Shipman disse em um afirmação anunciando a iniciativa.

Trabalhando com Max Niedzwiecki, especialista na interseção de migração forçada, fé e comunidades LGBTQ+, a EMM planejará as atividades do Mês do Orgulho, como marchas, serviços e eventos relacionados ao Dia Mundial do Refugiado em 20 de junho. de seus materiais e procedimentos para garantir que sejam inclusivos para LGBTQ.

A Rainbow Initiative vem em resposta à Resolução da Convenção Geral D045, aprovada na 80ª Convenção Geral em Baltimore, Maryland, em julho de 2022. Essa resolução expressou apoio às Nações Unidas e à Organização Internacional para Migração em seus esforços para proteger as pessoas LGBTQ+, encorajadas os EUA a “aceitar ativamente” migrantes forçados LGBTQ+ e requerentes de asilo, e pediu à EMM que “destaque as questões que envolvem refugiados e asilados LGBTQI+ e ofereça informações sobre formas de apoio”.

A 2022 estudo do Instituto Williams da UCLA descobriu que, embora as pessoas LGBTQ+ enfrentem ameaças terríveis em muitas partes do mundo, muitas vezes enfrentam desafios adicionais nos sistemas de refugiados e asilo, incluindo falta de conscientização e informação. Dos 26.6 milhões de refugiados e 4.4 milhões de requerentes de asilo em todo o mundo em 2021, o número que se identifica como LGBTQ+ é desconhecido, embora a maioria LGBTQ+ requerentes de asilo nos EUA vem do Triângulo do Norte da América Central (Guatemala, Honduras e El Salvador).

Mas as ameaças que enfrentam por causa de suas identidades estão bem documentadas. A homossexualidade é ilegal em 69 países, e punível com Death em seis. Eles também podem viver sob constante ameaça de violência, especialmente transgender pessoas.

A perseguição anti-LGBTQ+ é uma razão válida para buscar asilo, mas muitas pessoas que trabalham nesses sistemas podem não saber disso, e buscar asilo por esse motivo efetivamente supera a pessoa, o que pode colocá-la em maior risco. perigo.

A EMM, uma das 10 agências oficiais de reassentamento de refugiados dos EUA, ajuda os recém-chegados aos Estados Unidos enquanto fogem da guerra, da perseguição e de outros perigos em seus países de origem. A igreja acolheu mais de 100,000 refugiados desde 1980

Entre os possíveis objetivos da Rainbow Initiative estão novas parcerias envolvendo congregações episcopais, migrantes forçados, agências de reassentamento baseadas nos EUA, grupos comunitários e muito mais, bem como programas para aumentar a conscientização e visibilidade, de acordo com a EMM, e os resultados do vistoria informará esses esforços.

“Todos os que estão conectados de alguma forma à Igreja Episcopal são convidados e encorajados a participar da pesquisa de lançamento, uma oportunidade para compartilhar suas experiências, ideias, recursos e interesses relacionados à migração forçada LGBTQ+ no contexto da Igreja Episcopal”, o comunicado disse.

Correção: Uma versão anterior desta história distorceu o número de agências oficiais de reassentamento de refugiados dos EUA.

- Egan Millard é editor assistente e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser contatado em emillard@episcopalchurch.org.


Tags