Eleição para bispos da Flórida avança apesar do pedido de adiamento de alguns delegados

Por David Paulsen
Postado em outubro 19, 2022

[Serviço de Notícias Episcopais] O Comitê Permanente da Diocese da Flórida divulgou um novo vídeo em 19 de outubro com detalhes adicionais sobre a segunda tentativa da diocese de eleição de bispo. Embora o vídeo não responda diretamente às recentes chamada de alguns delegados para adiar a eleição, a diocese emitiu uma declaração separada ao Episcopal News Service, não deixando dúvidas de que a diocese pretende avançar em 19 de novembro conforme planejado.

Esses planos “seguirão os cânones a cada passo, para que possamos ter uma eleição limpa e válida”, disse Arthur Crofton, membro do comitê permanente, no vídeo de cinco minutos postado no YouTube.

A garantia de uma eleição válida segue uma eleição anterior do bispo em 14 de maio, que foi anulada em meio a reclamações de que a diocese não seguiu os procedimentos adequados, particularmente sua decisão de permitir que os delegados do clero participassem da convenção eletiva on-line, exigindo que os delegados leigos participassem pessoalmente. O Rev. Charlie Holt inicialmente foi declarado o vencedor, mas depois retirou sua aceitação do resultado após um Tribunal de Revisão de toda a igreja descobriu que a eleição foi conduzida de forma inadequada.

Em 13 de setembro, a diocese anunciou que havia agendou uma nova convenção especial para eleger um bispo coadjutor, que se tornaria bispo diocesano após a aposentadoria do bispo da Flórida Samuel Howard no outono de 2023. Desta vez, será necessária a participação presencial de todos os delegados que votam na eleição, a ser realizada no Camp Weed da diocese em Carvalho Vivo. A diocese oferecerá aos delegados transporte gratuito de Gainesville, Jacksonville e Tallahassee para o campo.

Os candidatos são Holt, o Rev. Miguel Rosada e o Rev. Beth Tjoflat, todos os quais estiveram nas urnas em maio. Um encontro com a opção de participação online com os candidatos está agendado para 12 de novembro, uma semana antes da eleição.

Na declaração fornecida à ENS em 19 de outubro, o comitê permanente afirmou seu plano de realizar uma nova eleição em 19 de novembro.

“A primeira eleição foi considerada inválida pelo Tribunal de Revisão estritamente devido a questões processuais relacionadas diretamente ao dia da eleição e à votação online”, diz o comunicado em parte. “Todas as ações antes da eleição, como o processo formal de busca, foram realizadas de acordo com nossos Cânones. Assim, não houve a necessidade de outro processo de busca. Estamos focados apenas em garantir a integridade processual nesta próxima eleição”.

Alguns delegados preocupados, no entanto, levantaram dúvidas sobre a capacidade da diocese de realizar uma eleição justa neste momento. Um grupo de 31 clérigos e delegados leigos e dezenas de paroquianos enviaram uma carta a Howard e ao comitê permanente em 12 de outubro levantando oito queixas primárias ao novo processo, incluindo preocupações contínuas sobre a elegibilidade dos delegados. Eles pressionaram por maior clareza sobre o número de delegados do clero canonicamente residentes na diocese, já que dois terços devem votar para alcançar um quórum.

“Estamos a pouco mais de um mês da eleição”, diz a carta. “Este processo de definir e examinar claramente cada padre e diácono não pode ser feito em questão de meses e deve ser dado tempo e paciência para ser feito corretamente.”

A Rev. Teresa Seagle, membro do comitê permanente, abordou questões sobre o clero e os delegados leigos no vídeo divulgado em 19 de outubro sem mencionar diretamente a carta dos delegados. O número de clérigos em uma diocese está sempre flutuando, disse ela, mas a partir de agora, a diocese tem 172 clérigos residentes canonicamente. UMA lista com seus nomes foi lançado junto com o vídeo.

Seagle também explicou que os cânones diocesanos especificam que cada congregação com uma assistência média de domingo de até 150 pessoas designa dois delegados leigos para a convenção, e congregações maiores podem adicionar um delegado para cada 150 pessoas adicionais. A diocese está referenciando a ASA registrada nos relatórios paroquiais de 2021 enviados pelas congregações à diocese.

“Delegados leigos estão se inscrevendo para a convenção”, disse Seagle. “Assim que terminar, publicaremos essa lista.”

O vídeo não abordou as outras preocupações levantadas pela carta de 12 de outubro, incluindo o que seus autores descrevem como uma atmosfera de desconfiança na diocese. A carta também se opôs à decisão da diocese de contratar Holt como padre enquanto a validade de sua eleição estava sob revisão formal.

A declaração escrita do comitê permanente também não abordou algumas das preocupações adicionais sobre as próximas eleições. “Revisamos o conteúdo da carta com nosso chanceler, continuamos a receber orientação de consultores nacionais da igreja e estamos planejando com muito cuidado esta eleição de acordo com nossos cânones”, disse o comitê permanente. “Se houver esclarecimentos processuais ou atualizações necessárias, prontamente os compartilharemos com a diocese. Nosso objetivo é a transparência contínua durante todo o processo eleitoral.”

Seguem o último vídeo e comunicado do comitê permanente um vídeo de 16 minutos lançado em 16 de setembro tentando responder às “muitas perguntas” que disse ter recebido sobre a decisão de realizar uma nova eleição para bispo coadjutor depois que foram levantadas objeções sobre o processo eleitoral inicial.

- David Paulsen é editor e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser encontrado em dpaulsen@episcopalchurch.org.


Tags