Um instantâneo da primeira bispa a pregar no serviço de abertura da Conferência de Lambeth

Pela equipe ENS
Postado em agosto 2, 2022

O Bispo do Lesoto Vicentia Kgabe pregou em 31 de julho durante o serviço de abertura da Conferência de Lambeth de 26 de julho a 8 de agosto. Foto: Tim Bishop/Conferência de Lambeth

[Episcopal News Service - Canterbury, Inglaterra] Na manhã de 31 de julho, cerca de 600 bispos, mais de 85 por cento deles homens, de toda a Comunhão Anglicana se dirigiram à histórica Catedral de Canterbury, descrita por alguns como o coração do anglicanismo, e quando chegou a hora da sermão, foi a Rota. Rev. Vicentia Refiloe Kgabe que subiu as escadas para o púlpito.

Em abril, Kgabe recebeu o e-mail do Lambeth Palace convidando-a para pregar, e ela não acreditou muito. “Achei que havia um e-mail errado na minha caixa de entrada. Olhei para ele e continuei com o meu trabalho. Era como se fosse um e-mail estranho, vá e leia novamente ”, disse ela ao Episcopal News Service. “E eu li. E eu ri, e fiquei tipo, não, não tem jeito. Deixe-me dizer sim e então alguém perceberá que cometeu um erro. E diga, 'não, realmente, não foi feito para você'”.

Ela respondeu: “Sim, ficarei feliz em pregar”.

“E imediatamente, a resposta veio. 'Muito obrigado, o arcebispo Justin está feliz, nós lhe enviaremos o programa e outras coisas.'”

Quando ficou claro que o convite era real, “eu comecei a chorar, porque é como, você sabe, a coisa da síndrome do impostor”.

Foi a primeira vez em seus 155 anos de história que uma mulher pregou no serviço de abertura da Conferência de Lambeth, o encontro de bispos anglicanos de todo o mundo que ocorre principalmente uma década por década.

A terceira mulher a se tornar bispa da Igreja Anglicana da África Austral, Kgabe foi nomeada para liderar a Diocese de Lesoto em 2021. Ela era nova no cargo e achava que talvez houvesse outros bispos mais experientes e mais qualificados para pregar. Mas então ela começou a trabalhar e depois de meses lendo e reunindo material, e trabalhando com o tema da conferência, “A Igreja de Deus para o Mundo de Deus”, e a liturgia de 31 de julho leituras, 1 Reis 17.8-16, 1 Pedro 4.7-11, e do Evangelho, João 13.12-17, “a escrita demorou um dia”.

Em seu sermão, ela falou de como a Comunhão Anglicana é “chamada a praticar a hospitalidade e servir”.

“Como nós, como igreja – a igreja anglicana, demonstramos hospitalidade em um mundo que está passando e experimentando sérias dores e conflitos?” ela perguntou. “Fazemos isso seguindo o modelo que foi estabelecido para nós por nosso salvador, e esse modelo não é egocêntrico nem introspectivo. Ele nos chama a não ficar olhando para o umbigo, mas nos chama a buscar primeiro o reino de Deus e a justiça de Deus, e todas as coisas que desejamos, que ansiamos, que pedimos, que esperamos, nos serão dadas. , mas primeiro buscamos o reino.”

No final do culto, tudo o que ela queria fazer era beber água e dormir, ela disse, mas o sono não veio até mais tarde porque “o corpo estava apenas zumbindo, eu podia sentir a vibração”.

No período entre a última Conferência de Lambeth em 2008 e esta 15ª Conferência de Lambeth de bispos de toda a Comunhão Anglicana, o número de mulheres que lideram dioceses aumentou de 14 para cerca de 97. Kgabe é uma das três bispas da Igreja Anglicana do Sul África. Há mais três no continente africano, um no Sudão do Sul e dois no Quênia.

Kgabe nasceu em 1976 em Soweto, um município em Joanesburgo, África do Sul, e o apartheid permaneceu no local durante a maior parte de sua infância. Ela frequentou a escola primária e secundária em Soweto em uma época em que os alunos não tinham permissão para frequentar escolas fora de suas localidades. Para ela, a Igreja Anglicana de St. Hilda servia como “uma segunda casa”, um lugar seguro onde ela e outras crianças e adolescentes se reuniam depois da escola às quartas e sextas-feiras e nos fins de semana.

“Havia muito o que fazer na igreja. Meus melhores amigos vêm da igreja... Assim era a igreja para mim em Soweto, e sei que para muitos de meus colegas, era um santuário; nos salvou de tantas coisas. Éramos servidores do altar, fazíamos parte da guilda de meninas, estávamos no programa de jovens, nos ofereciamos para as coisas, então estávamos disponíveis e todos os sábados havia um funeral em nossa igreja. Estávamos lá para fazer tudo”.

Foi depois de passar a infância quatro dias por semana na igreja que Kgabe, aos 16 anos, estudante do ensino médio, começou a pensar em ministério.

“Comecei a pensar em 1992, e lembro que não tinha o vocabulário na época. Ainda não tenho agora. Eu chamo isso de querer ser um padre. Eu não tinha modelos; as mulheres ainda não foram ordenadas na Igreja Anglicana da África Austral”, disse ela à ENS.

“Aos 16 anos, fui para casa, porque casa era assim, um lugar onde você podia falar o que pensa, e eu disse para minha avó: 'Eu gostaria de ser padre'. Isso foi um choque de sua vida, porque a primeira coisa que ela perguntou foi: 'Onde você já viu uma mulher sendo padre?'

“Então não havia nenhuma referência… e então ela disse, 'Mesmo em nossa família, não temos ninguém que seja padre.'” A próxima coisa que sua avó fez, “como qualquer outro bom anglicano, ela foi para o padre e disse: 'Eu tenho uma criança em casa e ela acabou de chegar em casa e começou a falar sobre ser padre.'”

Na época, o padre e seus pais a incentivaram a terminar o ensino médio. “Para mim, parecia que você não estava me levando a sério. Então, eu desliguei. Eu pensei, isso não é para mim, não sou chamada para isso, talvez eu esteja pensando demais nas coisas”, disse ela.

E então, mais tarde esse mesmo ano o Sínodo Provincial da Igreja da África Austral votou para ordenar mulheres.

“Quando você começou a ver as ordenações acontecendo, pode-se começar a ter uma referência de, OK, é isso que significa. E meus pais quando eu compartilhei com eles, meu pai ficou preocupado. Sua resposta foi: 'Então você quer ser pobre pelo resto da vida?' Certo, sim. Minha mãe fica tipo, 'Talvez você queira ser freira?' Eu estava tipo, não, estou claro... é isso. Mas me disseram para esquecer isso. Então, realmente, você não precisa mais falar sobre isso.”

Após a formatura do ensino médio, Kgabe passou a estudar computação e, então, desenvolveu um amor pelo direito. “Esse é meu primeiro amor. Eu realmente amo direito.” Mas então o chamado veio da igreja.

Ela entrou no processo de discernimento e, uma vez confirmado, entrou no seminário do Grahamstown College of the Transfiguration. Depois de dois anos, ela voltou à vida paroquial e continuou a estudar, tornando-se reitora do colégio, onde serviu por sete anos antes de ser nomeada bispo de Lesoto, uma das 26 dioceses da Igreja Anglicana da África Austral.

O Reino do Lesoto é uma nação soberana nas Montanhas Maloti e está inteiramente cercada pela África do Sul. Ela foi bem recebida no Lesoto, o que lhe deu esperança.

“Quando fui eleito pelos bispos para ir ao Lesoto, que é um país sem litoral, que nunca teve uma mulher em um alto cargo de liderança, poucas mulheres foram ordenadas. E então eu fui lá, e eles me aceitaram, havia um sinal de esperança.

“Sua recepção e boas-vindas foi um sinal de esperança.”

E outro sinal de esperança, ela disse: “É quando você tem um rei, a pessoa mais poderosa do reino, o rei que diz à nação: 'Eu a tenho de volta. Não mexa com ela. E então, na tradição de um Lesoto, um novo nome foi dado a mim, 'mambatu', que significa 'mãe da nação'.

“Isso era esperança. Porque se, você sabe, estamos na África, os reis podem fazer as coisas que eles querem fazer. Mas ter isso foi uma mudança, então eu tive que ser capaz de sentar naquele momento de graça e recebê-lo.”

A cobertura completa da Conferência de Lambeth do Episcopal News Service é aqui.


Tags