Ministérios Episcopais de Migração estão prontos para ajudar, pois os EUA planejam admitir até 100,000 refugiados ucranianos

Por Egan Millard
24 de março de 2022

Evacuados fugindo da invasão russa da Ucrânia saem da cidade portuária sitiada no sul de Mariupol, na Ucrânia, em 17 de março de 2022. Foto: Alexander Ermochenko/REUTERS

[Serviço de Notícias Episcopais] Em 24 de março, o presidente Joe Biden anunciou em uma coletiva de imprensa em Bruxelas, Bélgica, que os Estados Unidos aceitarão até 100,000 refugiados que fogem da guerra na Ucrânia. Em resposta, Ministérios Episcopais de Migração, que ajuda a reinstalar refugiados nos EUA como uma das nove agências de refugiados que trabalham com o governo federal, disse que está pronta para recebê-los.

“Outro conflito brutal causou muito sofrimento na Ucrânia e um êxodo de famílias em busca de segurança nos países vizinhos”, disse Demetrio Alvero, diretor de operações dos Ministérios Episcopais de Migração, em um comunicado de 24 de março. afirmação. “Com o anúncio hoje de que o governo dos Estados Unidos ajudará no reassentamento de 100,000 ucranianos, a EMM fará sua parte, como fez com vários refugiados perseguidos de todo o mundo, para recebê-los com a ajuda de nossos parceiros, congregações e comunidade. grupos”.

Quem Somos 3.5 milhão de pessoas fugiram da Ucrânia, e milhões mais estão deslocados internamente, no que se tornou o maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial. A maioria dos refugiados está atualmente na Polônia, Moldávia, Romênia e Alemanha. Forças russas invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro

Além de ajudar ucranianos e russos por meio de uma série de vias legais, incluindo o Programa de Admissão de Refugiados dos EUA, os EUA anunciaram em 24 de março que fornecer mais de US $ 1 bilhão em direção à assistência humanitária para apoiar as pessoas na Ucrânia e ajudar as pessoas afetadas pelo impacto da invasão da Rússia e mais US$ 11 bilhões nos próximos cinco anos para garantir a segurança alimentar.

A EMM recebeu e reassentou mais de 100,000 refugiados desde a década de 1980 e, desde 2014, ajudou a reassentar 420 ucranianos sob um programa de reunificação familiar que começou inicialmente em 1990 para reassentar judeus da antiga União Soviética, segundo o comunicado.

“Os Ministérios Episcopais de Migração continuam a oferecer um ministério de acolhimento através do reassentamento de refugiados e da Programa de vizinho para vizinho”, disse o Rev. Chuck Robertson, cônego do bispo presidente para o ministério além da Igreja Episcopal. “Desde a década de 1930, a Igreja Episcopal respondeu fielmente ao chamado de Deus para oferecer compaixão e apoio aos mais vulneráveis ​​entre nós. É nossa fé e ministério compartilhados, e o apoio de voluntários e doadores, que nos permitirá continuar reassentando populações vulneráveis, ajudar os afegãos que chegam e responder à crise na Ucrânia”.

No ano passado, o governo Biden angariado o número máximo de refugiados que admitiria para 125,000 para o ano fiscal de 2022. Esse total não inclui evacuados do Afeganistão, que foram admitidos sob programas especiais de vistos e liberdade condicional.

Ainda assim, o governo diz que pode não precisar aumentar o teto de refugiados em parte porque apenas 15,000 estão a caminho de serem admitidos neste ano fiscal, devido a atrasos no processamento e restrições à pandemia, de acordo com O Washington Post. Além disso, muitos dos ucranianos podem vir para os EUA sob os programas de liberdade condicional ou de reunificação familiar, que não são contados contra isso. boné. Aqueles que têm família nos EUA estarão entre os primeiros a chegar, disse Biden.

Para apoiar diretamente a EMM em seu trabalho com refugiados ucranianos, visite episcopalmigrationministries.org/give ou envie um texto “EMM” para 41444 (mensagens e dados padrão podem aplicar-se taxas). Anote sua doação para apoiar os refugiados ucranianos. Para doar pelo correio, envie cheques para DFMS-Protestant Episcopal Church US; Caixa Postal 958983; St. Louis, MO 63195-8983 (incluir Ministérios Episcopais de Migração – Ucrânia na linha do memorando).

- Egan Millard é editor assistente e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser contatado em emillard@episcopalchurch.org.


Tags