Atraso na convenção geral permite o início antecipado pela primeira vez para comitês, audiências online

Por David Paulsen
Postado em outubro 6, 2021

[Serviço de Notícias Episcopais] Quando a 80ª Convenção Geral foi atrasou um ano por causa da pandemia, forneceu tempo extra para as comissões legislativas revisarem as resoluções que eles eventualmente recomendariam para aprovação pelo plenário da Câmara dos Bispos e da Câmara dos Deputados. Em vez de esperar pelo próximo mês de julho para se reunir pessoalmente em Baltimore, Maryland, esses comitês estão se preparando agora para começar seu trabalho online.

“É um território desconhecido para nós”, disse o bispo Sean Rowe, que atua como parlamentar da Câmara dos Bispos. Isso é especialmente verdadeiro para as audiências do comitê sobre as resoluções apresentadas. Pela primeira vez, algumas audiências serão realizadas online, começando em fevereiro de 2022. “Acho que vai permitir mais participação, uma participação mais ampla”, disse Rowe, bispo de Northwestern Pennsylvania e Western New York, ao Episcopal News Service.

Escritório da Convenção Geral da Igreja Episcopal começou a postar relatórios do Blue Book online em abril, dando às comissões mais de um ano para revisá-los devido ao adiamento da Convenção Geral. Em 2018, os numerosos relatórios do Livro Azul, que resumem o trabalho dos órgãos provisórios da igreja, foram lançados em fevereiro, um prazo típico que dá aos comitês uma janela mais estreita para revisão antes da Convenção Geral em julho.

Este ano, os comitês podem começar oficialmente a se reunir em 1º de novembro, seguindo um cronograma e processo facilitados pelo Escritório de Convenções Gerais. Como resultado, o pessoal sessão legislativa na 80ª Convenção Geral será reduzido de 10 para oito dias, de 7 a 14 de julho, ajudando a igreja a atingir sua meta de reduzir a duração da reunião trienal.

“Muito do trabalho da Convenção Geral acontece nos comitês, e esse trabalho está começando bem antes de realmente chegarmos à Convenção Geral”, disse Ryan Kusumoto, deputado da Diocese do Havaí, em uma entrevista à ENS. “É uma mudança muito grande para todos nós.”

Kusumoto atua como presidente do Comitê de Despacho de Negócios, que supervisiona o fluxo ordenado de resoluções dos comitês para a Câmara dos Bispos e para a Câmara dos Deputados para debates e votos. Cerca de 500 a 600 resoluções são normalmente consideradas na Convenção Geral, Kusumoto observou, e muitas dessas resoluções serão "discutidas, debatidas e aperfeiçoadas antes de nossa chegada em Baltimore", possivelmente aliviando os gargalos legislativos no final da reunião pessoal.

Ele e outros oficiais do comitê participaram de um treinamento sobre Zoom na semana passada. Outro treinamento online em 20 de outubro está aberto a todos os bispos e deputados designados a comitês legislativos.

“Estamos prestes a embarcar em um experimento adaptativo para ver como podemos usar a tecnologia para tornar parte de nosso trabalho de governança mais econômico e mais acessível para a igreja em geral”, o Rev. Gay Clark Jennings, presidente da Câmara dos Deputados Deputados, disseram em comentários de abertura no treinamento de oficiais em 28 de setembro. “Precisamos nos controlar”, disse ela, enquanto a igreja continua a enfrentar os desafios impostos pelo COVID-19.

A Convenção Geral é um centro de atividades legislativas, networking e companheirismo. Como o principal corpo governante bicameral da igreja, ela divide sua autoridade entre a Câmara dos Bispos e a Câmara dos Deputados. Entre suas responsabilidades está a aprovação de um orçamento de três anos para toda a igreja, bem como centenas de resoluções adicionais cobrindo tudo, desde revisões litúrgicas até as posições da igreja em questões de políticas públicas, de insegurança alimentar a licença familiar remunerada e ampla reforma da imigração.

Mais de 120 bispos e 483 deputados foram designados para comitês legislativos para a 80ª Convenção Geral. As reuniões iniciais dos comitês no próximo mês se concentrarão em apresentações e planejamento organizacional. Os comitês podem começar a revisar as resoluções à medida que priorizam seu trabalho e desenvolvem planos de ação, como formar subcomitês para examinar assuntos mais complexos.

O Escritório da Convenção Geral, então, trabalhará com os comitês para agendar audiências online no Zoom de 17 de fevereiro a 21 de maio. Os comitês também podem continuar a realizar reuniões durante esse período.

“Eu realmente aplaudo o Escritório da Convenção Geral por sua tenacidade e perseverança tentando descobrir como eles poderiam criar uma pista mais longa para a Convenção Geral”, disse ao ENS o Rev. Devon Anderson, que preside o Comitê da Câmara dos Deputados sobre Liderança em toda a Igreja.

Anderson atua como reitor da Trinity Episcopal Church em Excelsior, Minnesota, e é membro do Conselho Executivo da Igreja Episcopal. Em 2018, ela presidiu o Comitê de Justiça Social e Política dos Estados Unidos da Câmara dos Deputados, que realizou algumas reuniões preliminares online antes de se reunir pessoalmente em Austin, Texas.

A diferença este ano, disse ela, é que os comitês têm mais tempo para revisar e pesquisar os relatórios que recebem, e as audiências online quebrarão as barreiras para contribuições de toda a igreja.

As audiências são sempre abertas ao público, mas quando realizadas pessoalmente na Convenção Geral, “o público está realmente limitado às pessoas que podem encontrar o seu caminho para aquela sala”, disse Anderson. Em uma audiência online, “qualquer pessoa pode participar”, disse ela. “É uma forma de alargar esse círculo.”

Nem toda resolução terá uma audiência online, e ainda haverá muito trabalho do comitê a ser feito em Baltimore, disse Anderson. Ela enfatizou o valor “relacional” de nos encontrarmos cara a cara na Convenção Geral, “discernindo juntos quem somos como igreja e quem queremos ser e quem é Deus e Jesus nos chamando para ser”.

- David Paulsen é editor e repórter do Episcopal News Service. Ele pode ser encontrado em dpaulsen@episcopalchurch.org.