Secretário-geral da Comunhão Anglicana se junta a líderes cristãos internacionais para pedir o fim da violência colombiana

Postado em maio 20, 2021

[Escritório da Comunhão Anglicana] O secretário-geral da Comunhão Anglicana, o Rev. Josiah Idowu-Fearon, juntou-se a outros líderes cristãos internacionais para pedir ao presidente da Colômbia que ponha fim à espiral de violência no país. A carta foi assinada pelos líderes de quatro comunhões cristãs globais, três organismos ecumênicos internacionais e uma conferência regional de bispos católicos.

Em sua carta, enviada em 18 de maio, os líderes pedem ao presidente Iván Duque Marquéz que ponha fim à espiral de violência que está causando terríveis danos à população civil na Colômbia.

“Embora reconheçamos que o governo está lidando com uma situação muito complexa, acreditamos que o foco agora não deve ser reprimir protestos populares, mas sim ouvir as vozes do povo com empatia e sem recorrer à violência, e começar a abordar seriamente as raízes da mobilização em massa do povo colombiano ”, diz a carta.

A Colômbia já entrou na terceira semana de protestos nacionais. Mais de 40 pessoas foram mortas, centenas estão desaparecidas e milhares ficaram feridas como resultado da resposta de segurança.

“Acreditamos que, como chefe de governo, você chamará as autoridades colombianas a lembrar e cumprir sua principal responsabilidade, que é a proteção do povo colombiano”, diz a carta. “Oramos para que você resista e rejeite os apelos por mais violência e maior uso da força contra os ativistas.”

Os signatários acrescentaram que continuarão acompanhando de perto e com grande preocupação a situação na Colômbia, rezando por uma solução justa e pacífica para a crise atual, e permanecerão comprometidos em apoiar o diálogo entre os diversos atores como único caminho para tal solução.

Eles encerram a carta dizendo: “Aguardamos sua resposta e desejamos-lhe graça e paz no cumprimento de suas responsabilidades”.

Além do secretário geral da Comunhão Anglicana, a carta foi assinada pelo Rev. Ioan Sauca, secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas; Rudelmar Bueno de Faria, secretário geral e CEO da ACT Alliance; o Rev. Chris Ferguson, secretário geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; o Rev. Martin Junge, secretário geral da Federação Luterana Mundial; Bispo Ivan M. Abrahams, secretário geral do Conselho Metodista Mundial; Dom Miguel Cabrejos Vidarte, OFM, presidente do Conselho Episcopal Latino-americano; Dom Jorge Eduardo Lozano, secretário geral do Conselho Episcopal Latino-americano; e Philip Lee, secretário geral da Associação Mundial de Comunicação Cristã.

Idowu-Fearon assinou a carta após consultar o bispo episcopal da Colômbia, o Rt. Rev. Francisco José Duque e líderes da Igreja Episcopal com sede nos Estados Unidos, da qual a diocese faz parte. A Igreja Episcopal é uma das 41 igrejas nacionais e regionais autônomas, independentes, mas interdependentes, que constituem a Comunhão Anglicana.

Dom Duque fez sua própria declaração sobre a situação no país, dizendo que sua diocese “expressa de forma pública e categórica sua solidariedade com o sofrimento do povo colombiano e levanta sua voz de protesto contra todas as formas de abuso e todos os sinais de mortes que pairam sobre os mais vulneráveis ​​de nosso país, principalmente neste momento de crise social e de saúde.

“Nosso ser batizado nos move com espírito profético, segundo o ensinamento de Jesus, o Cristo, a nos colocarmos ao lado dos oprimidos e violados, a exigir a paz e a justiça necessárias para uma vida digna e harmoniosa.

“Exigimos dos nossos dirigentes que sejam tomadas as ações necessárias e conducentes ao restabelecimento de relações harmoniosas no território nacional. Exortamos-vos a cumprir o mandato que vos foi colocado, com plena justiça e em conformidade com a Constituição e os direitos humanos, a respeitar a vida, a integridade e o direito de protestar, garantindo a segurança e protecção de cada um que se manifesta. apenas reivindicações.

“Da mesma forma, expressamos nossa vontade de servir e declaramos nossa absoluta disponibilidade para contribuir com o país e com os cidadãos que mais precisam, onde formos chamados a fazer o bem.”


Tags