Jóvenes Episcopales vive o Caminho do Amor no encontro do Panamá

'Que ninguém despreze a sua juventude'

Por Lynette Wilson
Postado Jul 22, 2019

Noventa e seis jovens da América Latina, Caribe e Estados Unidos participaram do primeiro Evento de Jóvenes Episcopales na Cidade do Panamá, Panamá. Foto: Lynette Wilson / Serviço de Notícias Episcopal

[Episcopal News Service - Panama City] O Bispo Presidente Michael Curry trouxe a mensagem do Caminho do Amor ao primeiro Evento de Jovens Episcopais encontro de jovens latino-americanos na semana passada no que foi uma celebração estimulante da cultura hispânica e do empoderamento da juventude.

“Que ninguém despreze a sua juventude”, disse Curry, referindo-se a 1 Timóteo durante a Eucaristia de abertura de 18 de julho. “Siga Jesus e apenas ame.”

EJE19 trouxe 96 jovens de 16 a 26 anos de toda a América Latina e Caribe para a Cidade do Panamá para o encontro inspirado no popular Evento Episcopal da Juventude, realizado a cada três anos nos Estados Unidos. Delegações e voluntários vieram de cada uma das sete dioceses da Província IX e da Diocese de Cuba, bem como do México, Brasil, Guatemala e Panamá. EJE também incluiu uma delegação de seis jovens de língua espanhola dos Estados Unidos, com participantes de Nova York, Texas, Arizona e Califórnia.

O Bispo Presidente Michael Curry prega em inglês e Dinorah Padro interpreta suas palavras em espanhol durante a Eucaristia de abertura do Evento de Jóvenes Episcopales, realizado de 18 a 19 de julho na Cidade do Panamá, Panamá. Foto: Lynette Wilson / Serviço de Notícias Episcopal

Durante as leituras da Eucaristia, um jovem participante leu o trecho de 1 Timóteo, ao qual o bispo presidente se referia: “Ninguém despreze a tua juventude, mas dá aos fiéis um exemplo na palavra e na conduta, no amor, na fé, na pureza. ”

Foi um refrão repetido de uma forma ou de outra durante o evento com tema “Caminho do Amor” de 18 e 19 de julho realizado na Cidade do Conhecimento, uma antiga base militar dos EUA na Cidade do Panamá que agora serve como centro de ONGs e instalações para conferências, com teatros, auditórios, salas de aula e alojamentos em estilo dormitório.

“A verdade é que o amor é a chave de tudo, de tudo o que importa para a vida ou a morte. O amor é a chave ”, disse Curry. Citando um antigo hino em latim, ele continuou: “'Onde quer que o verdadeiro amor seja encontrado, o próprio Deus está lá porque Deus é amor.'

“Jesus nos ensinou que o amor é a chave de tudo. Se você não sabe o que fazer, faça o que acha que é amoroso ”, disse ele. “Oh, essa é uma mensagem para o mundo.

“Quando o presidente dos Estados Unidos e o Congresso dos Estados Unidos estão fazendo uma política sobre a fronteira dos Estados Unidos e decidindo quem entra e quem não entra, vocês precisam parar, Sr. Presidente, e vocês precisam Ame. Ame as pessoas de El Salvador, ame as pessoas de Honduras, ame as pessoas da Nicarágua, ame, ame, ame, ame, ame. ”

O bispo presidente pregou essas palavras enquanto os Estados Unidos continuam sua luta para responder ao grande número de migrantes que chegam à fronteira EUA-México em busca de asilo. A migração, especialmente a migração econômica, há muito é característica da região. No entanto, a migração forçada é um fenômeno mais recente.

O arcebispo Julio Murray, primaz da Província Anglicana da América Central e bispo da Diocese do Panamá, dá as boas-vindas aos jovens delegados, voluntários e funcionários do Evento de Jóvenes Episcopales realizado de 18 a 19 de julho na Cidade do Panamá, Panamá. Foto: Lynette Wilson / Serviço de Notícias Episcopal

Os jovens expressaram suas próprias preocupações políticas durante a Eucaristia, como evidenciado nas orações do povo, quando apelaram por justiça e paz em seus próprios países. Eles convocaram a violenta história de guerra da Colômbia e pediram paz. Eles pediram o fim da corrupção, da pobreza, da injustiça e da degradação ambiental em Honduras e, em vez disso, pediram uma pátria construída sobre a unidade, o amor e o bem comum. Eles oraram pelos jovens da América Central que se encontram em gangues e pela segurança de mulheres e meninas, para que não se tornem vítimas de violência. Também pediram paz em Porto Rico e liberdade na Venezuela.

Desde a Eucaristia de abertura, ficou claro que o evento foi organizado por jovens para jovens em seus próprios contextos culturais, linguísticos, geográficos e pastorais.

“Queríamos apenas reunir todos porque é assim que Jesus quer”, disse Kenniane, 22, membro da equipe de planejamento de Porto Rico. “Não temos vergonha do que somos; queremos expressar o amor que ele nos deu.

“Como disse o bispo (presidente), 'Deus é amor'”.

Os jovens da América Latina estão lidando com os mesmos problemas: governos corruptos, política, imigração e racismo, disse ela.

No segundo dia da conferência, workshops foram oferecidos sobre como viver o Caminho do Amor, abordando os temas de reconciliação racial, evangelismo, liderança e cuidado com a criação.

O objetivo do evento era “mostrar aos jovens que eles são poderosos e devem ser líderes em suas comunidades”, disse Byron, 23, membro da equipe de planejamento de Honduras.

Os escritórios de Formação de Fé, Ministérios Étnicos e Parcerias Globais da Igreja Episcopal formaram uma parceria com a Equipe de Planejamento EJE19 da Província IX para organizar o evento; um subsídio do Fundo Constable cobriu o planejamento pré-conferência e, em 2018, a Convenção Geral aprovou US $ 350,000 para o evento.

“O objetivo é afirmar, convidar, inspirar e equipar os jovens para reivindicar seu batismo e discernir seu lugar na igreja”, disse Bronwyn Clark Skov, diretora de formação, ministérios de jovens e jovens adultos na Igreja Episcopal, no primeiro dia da conferência.

“Muitas pessoas vão comparar este evento com o EYE. … A paixão com que esses jovens afirmam seu batismo - eles são evangelistas sem vergonha ”, disse ela, acrescentando que os jovens estão assumindo papéis de liderança,“ e nossa maior esperança é que continuem a fazer isso ”.

É importante fornecer um contexto cultural e socialmente apropriado para que os jovens de língua espanhola possam falar sobre o que os afeta, disse Glenda McQueen, oficial de programa para a América Latina.

As dioceses latino-americanas podem ter recursos para enviar apenas um ou dois participantes para conferências nos Estados Unidos, e conseguir um visto de viagem é um desafio, ainda mais sob a administração atual, disse McQueen.

Quando McQueen participou da Conferência Global Episcopal Mission Network, ou GEMN, na República Dominicana no início deste ano, ela testemunhou jovens adultos naquela diocese fazendo e vendendo café da manhã para financiar sua participação, e era o mesmo para outras dioceses, disse ela.

“Quando os recebi na primeira noite ... este é um sonho realizado”, disse McQueen, e outros estavam simultaneamente tendo os mesmos pensamentos. “Meu sonho (agora) é ver isso continuar.”

O Panamá, que faz parte da Província Anglicana da América Central, foi escolhido para sediar o evento por sua localização, baixos custos de viagens regionais e requisitos menos restritivos de visto.

“A Diocese do Panamá está muito, muito grata pela oportunidade que nos foi dada pela Nona Província e pelo bispo presidente da Igreja Episcopal de acolher este evento”, disse o Arcebispo Julio Murray, Bispo da Diocese do Panamá e Primaz da Província .

A realização do evento no Panamá criou oportunidades para a participação de mais jovens.

“Ter acesso aos vistos não é a coisa mais fácil, principalmente para os jovens, então tê-lo na América Latina agrega mais gente da região”, disse Murray. “Esta região está passando por muitas mudanças e desafios, e os jovens sabem dessas mudanças e desafios. E eles têm a oportunidade de falar sobre eles e também de sugerir estratégias de como eles voltam para seus países e se tornam apoiadores ou agentes de transformação a partir da mudança. ”

A maneira como os jovens vivem o chamado para seguir Jesus impressionou o bispo presidente.

“Na verdade, eles se reuniram para orar, estudar a Bíblia, estudar o caminho e os ensinamentos de Jesus, para que possam realmente viver esses ensinamentos em suas vidas e ajudar seus países, e todos os nossos países, a realmente refletir o que Jesus disse quando disse: 'Ame a Deus, ame o seu próximo e ame a si mesmo' ”, Curry disse ao Serviço de Notícias Episcopal no segundo dia. “Eles estão realmente fazendo isso; eles não estão apenas falando sobre isso. Isso é inspiração. ”

“Lembro-me de estar em Honduras há dois anos, e eram os jovens de lá, muitos dos quais estão aqui agora, que queriam que nós saíssemos às ruas para fazer evangelismo. Eram crianças episcopais e arrastaram a mim e ao bispo Lloyd (Allen) (de Honduras), e arrastaram dois bispos para fora e saímos à tarde, com o sol quente que poderia estar, com sinais: 'Buzine se você ama a Deus, '' Buzine se você acredita que Deus o ama 'e' Buzine se quiser uma oração '. E ficamos fazendo isso por algumas horas ”, disse Curry. “Isso veio dos jovens; eles na verdade estão ajudando a levar a igreja de volta a ser a igreja que se parece com o caminho de Jesus e o caminho do seu amor. ”

- Lynette Wilson é repórter e editora-chefe do Episcopal News Service. Ela pode ser contatada em lwilson@episcopalchurch.org.


Tags