Grupo Splinter da Comunhão Anglicana anuncia encontro alternativo pouco antes de Lambeth 2020

Por Mary Frances Schjonberg
Postado em maio 10, 2019

[Serviço de Notícias Episcopais] A turbulência sobre o Conferência Lambeth 2020 continua, mais recentemente com um Comunicado dos líderes da Conferência Global do Futuro Anglicano, ou GAFCON, reiterando sua alegação de que a reunião dos bispos da Comunhão Anglicana é falha porque incluirá bispos de províncias que permitem o casamento do mesmo sexo.

O grupo também anunciou que convocará uma reunião dos bispos da Comunhão Anglicana para os dias 8 e 14 de junho de 2020, em Kigali, Ruanda, poucas semanas antes do encontro de Lambeth. Em 2008, seu ano inaugural, o GAFCON encenou um evento semelhante reunião pré-Lambeth em Jerusalém. Quando o GAFCON foi formado em 2008, seus fundadores disseram que “o comprometimento moral, o erro doutrinário e o colapso do testemunho bíblico em partes da Comunhão Anglicana” haviam atingido um nível crítico.

“Por um lado, não temos interesse em tentar rivalizar com Lambeth 2020”, disse a carta do GAFCON de 2 de maio de seu Conselho de Primatas. “Por outro lado, não queremos que nossos bispos sejam privados de uma comunhão fiel enquanto esperamos que a ordem na comunhão seja restaurada.”

O conselho disse que a reunião de Ruanda é destinada principalmente aos bispos que já decidiram boicotar Lambeth. No entanto, qualquer bispo da Comunhão Anglicana que apóia sua “Declaração de Jerusalém"E Resolução 1.10 da Conferência de Lambeth de 1998, que define o casamento como “a união vitalícia de um homem e uma mulher”.

Enquanto o Arcebispo de Canterbury, Justin Welby foi criticado por sua recusa em convidar esposas do mesmo sexo de bispos para a Conferência de Lambeth de 2020, GAFCON disse em seu 2018 “Carta às Igrejas”Que Welby não deveria convidar bispos de províncias que“ endossaram por palavra ou ato práticas sexuais que estão em contradição com o ensino das Escrituras e Resolução 1.10 da Conferência de Lambeth de 1998, a menos que tenham se arrependido de suas ações e revertido suas decisões ”.

“Ainda não recebemos uma resposta do Arcebispo de Canterbury”, dizia a carta do conselho.

Conforme observado no Relatório Windsor de 2004 (página 61 aqui), As decisões da Conferência de Lambeth não têm força de lei canônica em parte porque não há um único conjunto de cânones aplicáveis ​​em toda a comunhão.

A carta de 2018 do GAFCON também pediu a Welby que convidasse como membros plenos para a Conferência de Lambeth os bispos dos grupos dissidentes conhecidos como Província da Igreja Anglicana na América do Norte e Província da Igreja Anglicana no Brasil. Em vez disso, em 26 de abril, Welby anunciou que havia convidado a Igreja Anglicana na América do Norte (ACNA), a Igreja Anglicana do Brasil e a Igreja Evangélica Anglicana Reformada da África do Sul (REACH-SA) a enviar observadores à conferência. Eles terão o mesmo status de representantes de outras igrejas cristãs, como as igrejas católica romana, ortodoxa, metodista, luterana e reformada, e órgãos multilaterais, incluindo o Conselho Mundial de Igrejas e o Fórum Cristão Global.

O arcebispo Foley Beach da Igreja Anglicana na América do Norte, o novo presidente do Conselho de Primazes do GAFCON, respondeu dizendo Welby baseou sua decisão em “uma narrativa partidária, divisiva e falsa ao afirmar erroneamente que eu deixei a Comunhão Anglicana. Nunca deixei a Comunhão Anglicana e não tenho intenção de fazê-lo.

“Eu me transferi de um corpo revisionista que havia deixado o ensino das Escrituras e da Comunhão Anglicana, e me tornei residente canonicamente em outra província da Comunhão Anglicana. Eu nunca saí. ”

Foley disse que receber o status de observador "é um insulto aos nossos bispos, muitos dos quais têm defendido o Evangelho, e à maioria dos anglicanos ao redor do mundo que há muito estão conosco como uma província da Comunhão Anglicana".

Durante a Conselho Consultivo Anglicanoé recente 17ª reunião, Secretário-geral Josiah Idowu-Fearon dito que o GAFCON agiu de uma forma que “causa confusão e divisão potencial”. Ele disse que os apelos para que os bispos do GAFCON comparecessem a Lambeth como participantes plenos causou divisão porque os bispos “claramente não são membros da comunhão”.

A carta do GAFCON também anunciou que havia afirmado o relatório provisório de sua Força-Tarefa sobre Mulheres no Episcopado, que após um "estudo abrangente de quatro anos", recomendou que as províncias do GAFCON não deveriam permitir que mulheres fossem bispos "até e a menos que um forte consenso a mudança surge após oração, consulta e estudo contínuo das Escrituras entre a comunhão GAFCON. ”

- A Rev. Mary Frances Schjonberg é a editora sênior e repórter do Episcopal News Service.


Tags