Bispos episcopais publicam 'Uma Palavra para a Igreja para o Mundo'

Publicado em setembro 20, 2016

[Comunicado à imprensa do Escritório de Relações Públicas da Igreja Episcopal] A Casa dos Bispos da Igreja Episcopal publicou o seguinte: Uma Palavra à Igreja para o Mundo.

 

O texto segue.


Uma Palavra para a Igreja para o Mundo

Saudações de Detroit, uma cidade determinada a ser revivida. Saudações também da cidade de Flint, onde somos lembrados de que a dádiva da água para muitos de nossos irmãos e irmãs foi contaminada.

Aqui, fomos exortados a ir além de nós mesmos e a ministrar às várias nações onde servimos e ao resto do mundo.

Lamentamos a total tristeza que marca nosso tempo presente. Nós condenamos a retórica política raivosa que se enfurece enquanto as fissuras se alargam dentro da sociedade em linhas raciais, econômicas, educacionais, religiosas, culturais e geracionais. Recusamo-nos a desviar o olhar, pois a pobreza, a crueldade e a guerra forçam as famílias a se tornarem migrantes que sofrem de apatridia e demonização. Renunciamos à violência armada e ao vício em drogas que roubam vidas e esmagam almas enquanto outros sucumbem ao medo e ao cinismo, abandonando qualquer senso de vizinhança.

No entanto, em tudo isso, “não nos desesperamos” (2 Coríntios 4: 8). Lembramos que Deus em Cristo entrou em nossa vizinhança terrena durante uma época de volatilidade política e desigualdade econômica. Para esta crise atual, trazemos nossa fé em Jesus. Pela graça de Deus, escolhemos ver neste momento uma oportunidade urgente de seguir Jesus em nossos bairros fragmentados, a nação e o mundo.

Cada membro da igreja foi “chamado para um tempo como este”. (Ester 4:14) Que os profetas digam a verdade em amor. Que os reconciliadores se movam corajosamente para lugares de divisão e desacordo. Deixe que os evangelistas nos inspirem a contar a história de Jesus de maneiras novas e atraentes. Deixe os líderes liderarem com coragem e alegria.

Na esperança da Ressurreição, oremos todos para que Deus trabalhe em meio a nossa luta e confusão para cumprir os propósitos de Deus na terra.

Comitê de Redação
Bispo Tom Breidenthal, do sul de Ohio
Bispo Mariann Budde de Washington
Bispo Diane Jardine Bruce, de Los Angeles
Bispo Victor Scantlebury do Equador Central
Bispa Mary Gray-Reeves de El Camino Real
Bispo Alan Gates de Massachusetts
Bispo Wendell Gibbs Jr. de Michigan
Dr.Scott Bader-Saye
Bispo Príncipe Singh de Rochester
Bispo Robert Wright de Atlanta
Bispo Rob Hirschfield de New Hampshire

A Casa dos Bispos da Igreja Episcopal se reuniu de 15 a 20 de setembro em Detroit, Michigan.


Tags


Comentários (6)

  1. John Thompson + diz:

    Obrigado aos bispos por esta sábia palavra.

  2. Kay Davidson - Bond diz:

    Você fala de seus sentimentos, mas não nos dá uma ordem sagrada. Eu não quero ficar parado. Eu quero direção sagrada. Eu sou velho. Mas eu sei o que nossos jovens desejam e o que são capazes de fazer para alcançar seus objetivos. Por que nossa igreja se retém? Vocês são líderes, guardiões com medo de mudar o mundo como fez nosso Cristo? Por vergonha!

    1. O Rev. Bill Cruse diz:

      A chamada está lá e eu a ouço como sagrada. “Oportunidade urgente de seguir Jesus em nossos bairros fragmentados, a nação e o mundo.
      Cada membro da igreja foi “chamado para um tempo como este”. (Ester 4:14) Que os profetas digam a verdade em amor. Que os reconciliadores se movam corajosamente para lugares de divisão e desacordo. Deixe que os evangelistas nos inspirem a contar a história de Jesus de maneiras novas e atraentes. Deixe os líderes liderarem com coragem e alegria. ”
      Vai. Tenha problemas com o Evangelho. Rapidamente!!

  3. Stryker Smith diz:

    Um propósito maravilhoso. Mas, ao mesmo tempo, não devemos também levar as boas novas da promessa de salvação por nosso Senhor Jesus? Não deveria ser uma meta explícita?

  4. Reverenda Peggy Blanchard Hunt diz:

    Cada um de nós que se diz cristão precisa deixar de lado nosso desconforto com pessoas, costumes e lugares que nos são estranhos. Não importa aonde vamos, vamos como portadores de Cristo. Este fato por si só, tanto humilhante quanto fortalecedor, nos equipa para sair para -todos- os outros com compaixão, paciência e receptividade. Nossa fé -não- é sobre nós como indivíduos, é sobre nós crescermos na santa comunidade de Deus, em nome de Cristo.

  5. Tony Oberdorfer diz:

    Mais conversa fiada de sua parte enquanto você continua a promover políticas políticas que criam os próprios problemas que você lamenta. Estou satisfeito, pelo menos, que muitos colegas bispos episcopais evidentemente ainda nutrem bom senso suficiente para se recusarem a se juntar a você.

Comentários estão fechados.