Conselho Executivo tem um vislumbre do trabalho realizado no centro da igreja

Por Mary Frances Schjonberg
Postado em outubro 16, 2012

Alguns dos membros do Conselho Executivo da Igreja Episcopal ouvem em 16 de outubro Barry Merer, gerente de serviços de web e mídia social no Escritório de Comunicação, explicando parte do trabalho do escritório. A sessão ocorreu durante a reunião do conselho no Centro da Igreja Episcopal em Nova York. Foto / Mary Frances Schjonberg

[Episcopal News Service - New York] Os membros do Conselho Executivo da Igreja Episcopal tiveram um curso intensivo sobre o trabalho da equipe da igreja em 16 de outubro durante uma visita ao Episcopal Church Center em Nova York.

Durante a manhã, o conselho se dividiu em cinco grupos e percorreu o prédio, reunindo-se com membros da equipe da missão que trabalham tanto em Nova York quanto na igreja. Eles também ouviram da equipe de apoio à missão, incluindo o Escritório de Comunicação, o escritório do tesoureiro e os recursos humanos.

A Bispa Presidente Katharine Jefferts Schori, à direita, e o Rev. Gay Jennings, presidente da Câmara dos Deputados, ouvem em 16 de outubro, enquanto membros da equipe explicam seu trabalho aos membros do Conselho Executivo da Igreja Episcopal que vieram ao centro da igreja em Nova York para o dia. Foto / Mary Frances Schjonberg

A visita ao centro da igreja foi significativa, em parte, porque a Convenção Geral disse em julho (via Resolução D016) que “era a vontade desta Convenção mover a sede do centro da igreja para longe do prédio do centro da igreja”. Essa declaração veio depois que a Câmara dos Bispos rejeitou um pedido da Câmara dos Deputados para vender o prédio na 815 Second Ave.

Um estudo abrangente de imóveis de propriedade da Sociedade Missionária Doméstica e Estrangeira da Igreja Episcopal está sendo conduzido pela imobiliária Cushman e Wakefield e financiado por Diocese de Los Angeles Bispo Jon Bruno. O estudo envolve tanto o Episcopal Church Center na 815 Second Ave. em Nova York e um quarteirão em Austin, Texas, que foi comprado com a intenção de construir um novo prédio para os Arquivos da Igreja Episcopal. O estudo também pretende explorar o custo de realocação do centro da igreja e seu impacto sobre a equipe.

O Conselho e muitos membros da equipe também participaram de uma sessão de treinamento anti-racismo / diversidade durante a tarde. Sarah Sayeed, associada de programa e comunicações da Interfaith Center de Nova Yorke Christina Warner, diretora de campanha da Ombro a ombro, falou na sessão sobre a compreensão do Islã e dos muçulmanos na América. Eles foram seguidos por uma sessão sobre questões de imigração liderada por Rachel Steinhardt, vice-diretora da Acolhendo a América.

Sarah Sayeed, associada do programa e comunicações do Centro Inter-religioso de Nova York, fala aos membros do Conselho Executivo da Igreja Episcopal e à equipe de toda a igreja durante uma sessão de treinamento de diversidade em 16 de outubro no centro da igreja em Nova York. Foto / Mary Frances Schjonberg

A reunião de 16 de outubro no centro da igreja ocorreu no segundo dia da reunião de 15 a 18 de outubro, que começou no hotel e centro de conferências Heldrich em New Brunswick, na Diocese de Nova Jersey, e o conselho retornará lá nos dois dias finais. da reunião.

Durante a Eucaristia do meio-dia agendada regularmente no centro, o Rev. Gay Jennings, presidente da Câmara dos Deputados, pediu ao conselho, funcionários e visitantes que ousadamente “façam outra coisa” com “como vivemos nossas vidas e estruturamos nossas comunidades e ministérios . ”

“Outra coisa que pode nos aproximar do coração de Deus e daqueles a quem somos chamados a servir - os últimos, os menores, os perdidos e os deixados para trás”, acrescentou ela.

Jennings observou que a igreja estava celebrando o dia da festa de Hugh Latimer e Nicholas Ridley, bispos que foram martirizados em 1555 por suas crenças sobre a necessidade de reforma na igreja. “Embora você e eu não sejamos chamados a desistir de nossas vidas físicas pela causa da reforma estrutural, entregamos nossas vidas a Jesus Cristo e nos comprometemos a servir a igreja de Deus”, disse ela. “Este é sempre o primeiro passo.”

A presidente da Câmara dos Deputados disse que não tinha certeza de como será "outra coisa" no triênio 2013-2015. “Mas estou pronta e disposta a fazer parte da criação de algo mais, algo novo”, disse ela. “Eu acredito que você também. Vamos lá. Sejamos discípulos de Jesus ousados ​​e visionários. Não somos chamados a fazer menos. ”

O Conselho passará a maior parte do dia 17 de outubro em reuniões do comitê após uma sessão final de orientação em plenário. Os membros servem em um dos cinco comitês permanentes conjuntos, incluindo Advocacy and Networking (A&N), Finance for Mission (FFM), Governance and Administration for Mission (GAM), Local Ministry and Mission (LMM) e World Mission (WM).

Em 18 de outubro, o conselho se reunirá em sessão plenária para ouvir os relatórios dos comitês e considerar as resoluções.

A cobertura ENS do primeiro dia da reunião é SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

O Conselho Executivo executa os programas e políticas adotadas pela Convenção Geral, de acordo com Canon I.4 (1) (a). O conselho é composto por 38 membros, 20 dos quais (quatro bispos, quatro sacerdotes ou diáconos e 12 leigos) são eleitos pela Convenção Geral e 18 (um clero e um leigo) pelos nove sínodos provinciais para mandatos de seis anos, mais o bispo presidente e o presidente da Câmara dos Deputados. Cerca de metade dos membros são novos no conselho com esta reunião, tendo acabado de ser eleitos pela Convenção Geral e pelas províncias.

 - A Rev. Mary Frances Schjonberg é editora / repórter do Episcopal News Service.


Tags


Comentários (2)

  1. João D. Andrews diz:

    Acho ótimo que o Conselho Executivo esteja sendo instruído sobre o que a igreja está fazendo em relação à diversidade, especialmente no que se refere aos muçulmanos. Tenho muitos alunos de ESL muçulmanos e estou aprendendo muito com eles sobre o Islã e sobre as diferentes culturas de onde vêm. Por causa de minha fé cristã, estou conectado a Deus e a outros cristãos. Mas, também estou conectado a outras tradições de fé por causa de nossa conexão comum com Deus, nosso criador. Assim como minha fé cristã foi aprimorada ao aprender sobre a religião Dine '(Navajo) quando eu morava na Nação Navajo, também está sendo aprimorada por meu aprendizado sobre o Islã.

  2. F. William Thewalt diz:

    Islâmicos e muçulmanos estão envolvidos em uma campanha de âmbito nacional para melhorar sua imagem com outdoors, anúncios e propaganda. Não haveria necessidade de nada disso se os muçulmanos não fossem um povo tão belicoso e violento. Reconheço que alguns podem ser pacíficos, mas o fato é que muitos deles desejam a destruição dos Estados Unidos, de nossas raízes judaico-cristãs e de tudo o que a América representa. Uma vez aqui, eles se reúnem e protestam contra nossas crenças e símbolos judaico-cristãos e buscam remover todos os pensamentos e símbolos cristãos tradicionais de nossa vida. Muitos migram para a América por causa de sua liberdade e, em seguida, buscam derrubar o sistema de justiça e as liberdades de que desfrutamos. Quando pegos pelas autoridades por atos terroristas, eles pervertem nosso sistema de justiça para salvar sua pele. Se os muçulmanos / islâmicos fossem tão justos, não teriam que gastar milhões em uma campanha de relações públicas. Suas ações falariam por si mesmas, como fazem agora.
    FW Thewalt

Comentários estão fechados.