Ativistas saudam libertação de pastor cristão no Irã, adolescente no Paquistão

Por Adelle M. Banks
Publicado em setembro 11, 2012

[Notícias Ecumênicas Internacional] Ativistas de direitos religiosos estão saudando a libertação, no fim de semana, de um pastor iraniano acusado de apostasia e de uma garota paquistanesa acusada de blasfêmia.

O pastor Youcef Nadarkhani foi libertado em 8 de setembro após uma audiência de seis horas, informou o Centro Americano para Lei e Justiça, que trabalhou para angariar apoio americano para a libertação do ministro, relata o Religion News Service. O cristão convertido enfrentou uma possível execução. “Suas orações, sua defesa e sua voz foram ouvidas”, dizia um anúncio online da ACLJ.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos deu as boas-vindas à libertação de Nadarkhani “depois de ser injustamente preso por três anos por causa de sua fé”, disse sua presidente, Katrina Lantos Swett. “A USCIRF apela ao governo do Irã para cumprir suas próprias leis e padrões internacionais de direitos humanos e libertar todos os outros prisioneiros de consciência”, acrescentou ela.

Enquanto isso, uma adolescente no Paquistão foi acusada de queimar páginas do Alcorão, o livro sagrado do Islã. A Associated Press informou que Rimsha Masih foi libertada em 8 de setembro, não muito depois de um clérigo muçulmano de sua vizinhança ser acusado de plantar provas incriminatórias contra ela.

“Seus pais estavam com ela quando ela foi libertada da prisão, e ela foi levada para um lugar mais seguro”, disse um de seus advogados, Tahir Naveed Chaudhry.

A USCIRF também aplaudiu a libertação do adolescente, chamando-o de "um desenvolvimento importante e encorajador que ressalta a urgência do Paquistão em reformar sua lei de blasfêmia". Disse o Diretor Executivo da USCIRF Jackie Wolcott: “A lei vitimiza todos os paquistaneses - cristãos, outras minorias religiosas e muçulmanos.”


Tags


Comentários (1)

  1. O Rev. Dr. David Cottrill diz:

    Graças a Deus! Há muito tempo que oramos.

Comentários estão fechados.